O “VELHO” FIRMINO, por Aderson Machado

Firmino Victor Machado. Era esse o nome de meu pai, que nasceu no Sítio Pirauá, no município de Areia, Paraíba, no dia 5 de agosto de 1901. Faleceu em 27 de maio de 1997, com quase 96 anos de idade.

Clique para ler mais

UM ALÍVIO NAS DORES DO MUNDO

“O doce Aracati chega do mar, e derrama a deliciosa frescura pelo árido sertão. A planta respira; um doce arrepio eriça a verde camada da floresta” (José de Alencar, em ‘Iracema’).

Ouvir Caetano, como ouvi ontem, teve em mim o efeito de um Aracati no final de tarde sertaneja, na casa de gente humilde com cadeira na calçada pra falar do tempo, da chuva que não vem e da vida alheia.

Assistir ainda vivo ao Vivo de Caetano, como assisti ontem, deu-me sensação de vida soprando na alma um alívio nas dores do mundo de agora, qual um alísio que refresca e traz calmaria sem nos lançar à deriva.

Ver Caetano cantando, como vi ontem, reacendeu-me aquele resto de esperança de a humanidade dar certo algum dia, porque dela ainda brotam uns poucos gênios do bem como esse moço de 78 anos.

Sentir Caetano cantando, como senti ontem, deu vontade de abrir janela e fazer coro, bem alto, para receber reclamação e pedir perdão e licença à vizinhança. Ah, “deixa eu cantar, que é pro mundo ficar odara”.

MONGA ONLINE, por Ana Lia Almeida

(Foto: Madriana Nóbrega)

Sem a querida Festa das Neves, até a Monga precisou se adaptar. Providenciou logo um post para o Instagram, devidamente replicado no Facebook, no Whatsapp e no Twitter: “Prepare seu coração: vem aí a Monga online!”.

Clique para ler mais

ENTREVISTA COM A MONGA, por José Mário Espínola

(Foto: imagem copiada do Blog do Arthur Veríssimo)

No auge do isolamento causado pela pandemia da Covid 19, a tradicional Festa das Neves de João Pessoa foi cancelada, sendo mantida apenas a comemoração religiosa, mesmo assim com restrições. Mas a imprensa não se conformou com uma das ausências mais sentidas e tanto furou que conseguiu entrevistar a principal personagem da festa: a Monga! A entrevista, na íntegra, vai reproduzida a seguir. 

Clique para ler mais

A INCREDIBILE ARMATA BOLSONAROLEONE (I), por Francisco Barreto

Trata-se da saga de D. Bolsoneraleone, O Sinistro. Cavaleiro ideologicamente esfarrapado, figura grotesca, oriundo de um coletivo em franca decadência política e moral, que pretendia liderar e conduzir um pequeno e atrapalhado exército composto por figuras rotas e esquálidas cuja habilidade fora a de submeter os burgos e populações conquistados impondo a sua vontade férrea.

Clique para ler mais

MONGA, A RAINHA DA FESTA, por José Mário Espínola

(Imagem: YouTube)

Nesta quarta-feira (5), a nossa Capital completará 435 anos de fundação. Ao longo de sua existência, passou por muitas épocas que marcaram o seu desenvolvimento, desde a incipiente Aldeia de Nossa Senhora das Neves até chegar à moderna e pujante João Pessoa que é hoje.

Clique para ler mais

OS NÚMEROS, por Ana Lia Almeida

Ali no jornal, como número, está bom. Não dói, não cheira, fica tudo certinho. Tão limpinho, tão organizado, com camisa de botão… Isso é que é ser número! Desfila comportado diante dos nossos olhos acalentados pela boa matemática, já preparado para o gráfico do dia seguinte. Assim é melhor.

Quando a tabela sai dali, começam as dificuldades. Aquele número, antes tão apresentável, passa a doer, a arder de febre. Tão bem contado, tão sistematizado, o número agora quer sair do jornal e vir atrás de mim, descabelado, desembestado, sujo.

Como incomodam esses números quando escapam do seu devido lugar matemático!  Como eles fedem e causam a maior desordem…  Uns baderneiros, uns comunistas, esses números! Que fiquem nas tabelas, nos gráficos, não me venham com atestados!

Não venham atrapalhar a minha aula com essa doutrinação ideológica sobre a vida real dos números. Eu já sei, já vi no jornal, já disse que sinto muito, agora me deixem em paz. Fora com essa ladainha sobre os números. Tenho metas a cumprir e não posso parar.

  • • Ana Lia Almeida é Professora e Cronista

CANTO E VERSO, por Tereza Barros

Imagem: ‘Habitação dos negros’ (Rugendas)

“Deje qui tu nascesse
Quieu nunca qui oiei pra tu
Angora quieu tô veno
Qui tu tem os oio azú”
(Cantiga ancestral. História oral de negro aquilombado)

Clique para ler mais

IL CAPO, por José Mário Espínola

Passeios de gôndola, tradição de Veneza (Foto: parceiros.gazetaonline.com.br)

Quem chega a Veneza de trem, desembarca sempre numa estação lotada, no meio do vai-e-vem ininterrupto de viajantes, de todos os tipos de turistas: ricos, pobres, estudantes, artistas, ciganos.

Clique para ler mais

Obra na barreira não tem licença ambiental, denuncia grupo Amigos do Cabo Branco

“É preciso fazer algo”, apelaram nesta terça-feira (27) cidadãos residentes em João Pessoa que se organizaram em defesa da preservação natural da falésia e de todo o ecossistema do Cabo Branco. Denominado Amigos do Cabo Branco, o grupo denunciou que a obra da Prefeitura da Capital na barreira não tem licenciamento ambiental completo nem Estudo de Impacto Ambiental (EIA). 

Clique para ler mais