ASSIM OU QUASE

(Imagem: charge publicada na Tribuna da Internet)

Veja a seguir como foi ou pode ter sido a negociação do líder da família dona do partido P com o chefe de governo e dono do partido S e depois com o líder da família dona do partido V.

– E os custos, como a gente faz com os custos?
– Estamos falando de quanto?
– Dá uns R$ 5 milhões. Daí pra cima.
– Isso tudo? E o fundo partidário?
– Vou ter que dividir com um monte de gente, né? E ainda dar um por fora aos estaduais que vão fazer dobradinha comigo. E tenho, claro, que adubar prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em 42 municípios.
– Não tenho como prover isso tudo não, amigo. Você faz ideia do que tenho pra bancar? Nossa coligação já vai pra mais de dez partidos…
– A maioria nanico, cacareco, compadre. Se você quiser, é só me dar uma lista de fornecedores que eu possa abordar. Entendo-me sozinho com eles, pode deixar.
– Tem como não, amigo. Vamos fazer o seguinte. Eu lhe arranjo dois paus e mais 350 empregos na folha e boto mais o contrato desse povo com data retroativa, que é pra todo mundo receber dois meses e dar um pra campanha. Que tal?
– A como, cada contrato?
– Dois mil paus, na média.
– Omi, dá 700 mil só. Quer dizer, chega nem a isso. Porque sei que vou levar cano, pois nem todo mundo vai repassar o primeiro salário. Além de tudo, é arriscado demais. Se no meio tiver um traíra, alguém plantado pela oposição pra lascar a gente, aí o cara denuncia… E aí?
– Rapaz, não é possível que com esse tempo todinho nessa putaria tu não tenha 350 pessoas da tua confiança! Pensei que isso tu arrumaria fácil só na família.
– Vixe! Lembrei agora de minha avó. Ela sempre me dizia: “Meu filho, o sangue é que faz mal à saúde”.
– Bom, é o que eu posso fazer…
– É, desse jeito, dá não. Mais do que isso o pessoal do outro lado já me ofereceu. E eles estão aperreados. Sabem que eu levo mais de quatro minutos de tevê, além de minhas 42 prefeituras.
– Cê que sabe. Se quiser, a gente fecha agora, chama a imprensa e anuncia a sua entrada na nossa coligação.
– Me dê 24 horas pra pensar e consultar o velho, com mamãe e meus tios.
– Tá certo. É até bom, porque amanhã eu recebo nova pesquisa. A primeira deu boa demais pra gente. Essa segunda só tá demorando por o filho da puta a quem eu pedi pra pagar o serviço tá regateando. Tá condicionando a parte dele ao pagamento de empenho de uma medição de obra que não bateu com o que ele fez até agora.
– Aí fica difícil. Soube que os auditores do Tribunal de Contas ficam com a gota em ano de campanha. Passando a lupa e a régua em tudo que obra de Estado e prefeitura.
– É, mas o Tribunal daqui não é problema. Problema é o federal. E essa obra, justamente ela, tem dinheiro de Brasília nela e a galera do TCU, já soube, tá de farol alto em cima.
– Ok. Vamos ver, vamos ver. Te ligo amanhã pra dizer qualquer coisa.
– Certo. Aguardo.

***

Após deixar o gabinete do chefe de governo dono do partido S, o líder da família dona do partido P vai conversar com o líder da família dona do partido V.

– E aí, deputado, vamos fechar?
– Dá não, amigo. Meus custos são muito altos e preciso de ajuda. Além do mais, o pessoal do outro lado me oferece 3 paus e mais 500 contratos. R$ 3 mil por cabeça, na média. Com direito a pagar um mês atrasado que é pra quem for contratado doar o primeiro salário pra campanha.
– Isso tudo que ele ofereceu? Mão de vaca do que jeito que aquilo é, duvido. Num tô dizendo que você tá mentindo não, deputado, mas já negociei com aquele cidadão na campanha passada e sei muito bem como ele é.
– Bem, se você não acredita e não tem nenhuma contraproposta…
– Não, peraí… Omi avexado…
– É não, doutor. A gente tem que fazer a convenção até domingo e a essa altura do campeonato ainda não sei quem vai encontrar em campo comigo. Assim é de lascar. Vocês ficam fazendo leilão…
– Né ao contrário não, deputado?
– Bem, doutor, vim aqui pra decidir. Não dá mais tempo de conversar não. É pegar ou largar…
– Vamos fazer o seguinte: eu empato com a proposta dele e te garanto mais duas secretarias.
– Porra de secretaria, omi! Quero o lixo agora e se vocês ganharem, água e Detran.
– Peça logo o céu…
– Bem, já vi que você não quer conversa. Tu acha mesmo que vou trocar quase cinco minutos de tevê e rádio, apoio de lideranças em 42 municípios e da minha família apenas pelo dinheiro, esses empreguinhos de merda e duas secretarias de bosta? Acha mesmo?

***

Líder da família dona do partido P sai da reunião com o lider da família dona do partido V e liga para o chefe de governo dono do partido S.

– Ok, compadre. Vamos fechar, vamos à convenção, à vitória. Reuni minha família, meus parentes mais chegados e a maioria é de opinião que devo fechar contigo, porque teu candidato tá bem mesmo e nós, juntos, podemos fazer muita coisa boa por nosso Estado.
– Ah, deputado, agradeço. Só não dá mais pra ser naqueles termos. Imagina você que quando você saiu ontem daqui, minutos depois recebi o pessoal do partido T e a gente fechou ligeirinho. Passe aqui à noite, então, pra gente renegociar.
– Agradeço, mas, nesse caso, prefiro ir de graça pro partido M. Se você acertou com o T, então, compadre, vai ter espaço não pra gente pro Senado, né isso? É, pelo viso, tu é mesmo como dizem lá em Bananeiras: só quer comer sozinho, feito ferida braba.

2 Comente ASSIM OU QUASE

  1. anonimo Disse:

    Na “República” o filósofo Platão dizia:
    “Enquanto não forem, ou os filósofos reis nas cidades, ou os Reis se tornarem filósofos, não haverá justiça”
    Estamos anos luz distantes disso.

  2. Climerio Avelino de figueredo Disse:

    Genial. O que é real e o que é criação? Ou tudo é real?

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *