CALAMIDADE NA AGRICULTURA, por Camilo Flamarion

Imagem copiada do Portal Embrapa (foto: Felipe Rosa)

Não tenho qualquer interesse em prejudicar quem quer que seja. Muito pelo contrário. Mas, como engenheiro agrônomo há mais de 46 anos, ex-diretor das extintas Emater e Emepa, jamais poderia fechar os olhos, calar a boca, fechar o teclado ou cruzar os braços diante da situação calamitosa em que se encontra a agricultura na Paraíba.

Parafraseando João Cabral, refiro-me obviamente à parte que cabe ao governo ‘nesse latifúndio’. Sei, sabemos, que o sucesso, onde há, é obra do esforço, persistência e garra dos agricultores.

Em um ano mais do que generoso em matéria de chuva, com índices pluviométricos superando a média esperada, o governo estadual não consegue entregar em tempo hábil as sementes de feijão, milho e sorgo aos produtores rurais. Com isso, inviabiliza, por exemplo, uma grande safra no Sertão Paraibano, uma das regiões mais ricas do Estado.

Inadmissível e inacreditável que a gestão em curso, juntamente com a Empaer, principal empresa estatal de apoio ao setor agropecuário, cometa falha tamanha.

A pergunta que me vem à mente é: quem vai pagar por tanto prejuízo?

Não adianta chorar depois o leite derramado, porque o que mais os produtores almejam é ter as sementes fornecidas pelo governo para os seus plantios.

A salvação da lavoura está, literalmente, no fato de que os agricultores são prevenidos. Muitos plantaram o que guardaram de safra passada, embora essas sementes guardadas não tenham mais o padrão genético adequado a uma maior e melhor produção. Essa qualidade eles teriam se tivessem recebido as sementes que o governo não forneceu tempestivamente.

Diante do exposto e do ocorrido, nossos desassistidos agricultores correm sério risco de amargarem este ano uma produção bem menor, de padrão inferior.

Consumada a tragédia, eles serão testemunhas e provas vivas do quanto o governo do Estado despreza e desprestigia a agricultura paraibana.

14 meses após ‘Terra Arrasada’, Incra não retoma serviço

Apesar da suspensão do serviço, famílias assentadas continuam produzindo (Foto: Kalyandra Vaz-Incra)

Suspensão de assessoria técnica, social e ambiental, após operação policial, dificulta políticas de inclusão produtiva e de permanência de trabalhadores no campo

Clique para ler mais

Safra de grãos da Paraíba deve crescer 419%

A safra de milho deve aumentar em 7%, este ano (Foto: Secom-PB)

O Estado ainda sofre com escassez de água, mas a produção agrícola melhorou em relação a 2016, principalmente no Sertão

Clique para ler mais