Achamos ele. Infelizmente!

Da esquerda para a direita, Adeildo Vieira, Carlos Aranha, Geo Moura, Gustavo Magno, Belchior, Tasso Sorrentino e Fernando Moura (Foto: Arquivo Pessoal/Fernando Moura)

• Por Fernando Moura

Há 15 anos, o último encontro. No casarão da Textoarte, na Praça Antenor Navarro, centro histórico de João Pessoa.

No micro estúdio da “Difusora Varadouro” (“Cem por cento de audiência Na praça”), sob a batuta de Geo Moura e solo de Tasso Sorrentino, Belchior nos concederia uma demorada e descontraída entrevista, ainda inédita, onde falaria de música, vida e amigos, como Carlos Aranha e Gustavo Magno, presentes na foto, ao lado do também compositor Adeildo Vieira.

No registro (capturado por Iranildo, um dos colaboradores da editora), o saudoso menestrel manipula, com alegria, o último dos pandeiros de Jackson, enquanto manejo, com emoção, um reco-reco esculpido em bambu, pelo próprio rei do ritmo – objetos hoje em exposição permanente no Memorial Jackson do Pandeiro, em Alagoa Grande.

Vou ter que procurar a fita. Urgente!

Enquanto isso, bem que Noaldo Ribeiro poderia partilhar trechos das longas, alternadas e íntimas conversas travadas (e gravadas) entre ambos, por bares e palcos campinenses, a pretexto da montagem de uma biografia autorizada sobre o compositor cearense, falecido ontem, mas desaparecido artisticamente há um bom e nebuloso tempo.

Fica o que foi bem feito, grudado na alma, pendurado na parede da memória de sua arte imortal.

Infelizmente, achamos Belchior! Para sempre.

  • Fernando Moura é jornalista, escritor e editor. Autor do livro ‘O Rei do Ritmo’, em parceria com Antônio Vicente Filho, sobre vida e obra de Jackson do Pandeiro

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *