PÓRTICOS DA PARAÍBA, por Eurípedes Mendonça

Pórtico de Alagoa Grande homenageia Jackson do Pandeiro

Certamente o leitor já ouviu falar sobre o pórtico da cidade de Gramado-RS ou o espetacular congênere da cidade paraibana de Alagoa Grande. Mas, se tiver curiosidade sobre dados dos pórticos, a exemplo do projeto de arquitetura, mensagens insculpidas, localização em relação ao marco zero da cidade, data de inauguração ou custos, onde encontrar de forma rápida e segura?

Se a resposta for Internet, você errou! Não por culpa do Google ou qualquer outro serviço de busca, mas sim pela inexistência de trabalhos que avaliem os pórticos de forma conjunta ou individual. As prefeituras municipais divulgam em seus veículos de mídia apenas a foto do pórtico e nada mais.

No período de 2008 a 2016, ao visitar as cidades da Paraíba em fiscalizações do exercício profissional da Medicina, passou este autor a incluir o autorretrato tendo ao fundo e em destaque um pórtico. Como se fosse um ponto turístico e essa é a ideia: elevar os pórticos à categoria de um verdadeiro cartão postal, merecedor de uma parada para fotos e apropriação do seu perfil. Logo urge a necessidade de provê-los de uma iluminação noturna adequada.

Baia da Traição

A motivação para “estudar” os pórticos iniciou-se a partir de um conselho de minha mãe Adélia: “Eurípedes, sempre que conhecer uma nova igreja católica, reze e faça três pedidos”. Obedeci e construí um rico acervo pessoal.

Vamos, então, fazer um giro sobre os aspectos arquitetônicos, sociais-culturais-musicais dos “Pórticos

da Paraíba”. Pórticos ou Portais? O vocábulo “portal” é mais usado, atualmente, na acepção relacionada à mídia, a notícias. Para estruturas arquitetônicas, a preferencia recai sobre “pórtico”.

Mas o que é realmente um pórtico? O pórtico é uma espécie de arco arquitetônico, geralmente com duas colunas unidas por uma viga, lembrando uma “trave de campo de futebol”. É a edificação mais complexa, personalizada, estilosa e custosa localizada nos acessos das cidades e tem as suas finalidades. Primeiro, dar boas-vindas aos visitantes; secundariamente, mas não menos importante, divulgar vocação econômica, cultural ou musical ou chamar a atenção do viajante para um filho ilustre da terra.

Bernardino Batista

Já as informações geográficas, como distâncias entre as cidades vizinhas e aquelas de maior porte, são geralmente veiculadas em estruturas metálicas, padronizadas, que muitas prefeituras teimam em também chamá-los de pórticos que este autor prefere categorizá-los como “Placas de sinalização”, que na realidade quase toda cidade tem uma.

Existem ainda nas entradas das cidades estruturas arquitetônicas menos complexas, mas com finalidades similares à dos pórticos. Como exemplo os municípios de Bernardino Batista, Diamante e Poço Dantas.

DADOS ESTATÍSTICOS DOS PÓRTICOS

Dos 223 municípios da Paraíba, 19 apresentam pórticos vistos pessoalmente pelo autor. Outros 13 foram pesquisados, a maioria por sugestão de internautas, totalizando 32, ou seja, 14,3% do total.

Brejo do Cruz

A região da Mata da Paraíba apresenta a maioria dos pórticos (13). Em segundo lugar, a mesorregião do Sertão, com oito. O Agreste tem sete. O Cariri, quatro. Enfatize-se que o Curimataú não tem pórtico.

EM HOMENAGEM A FILHOS ILUSTRES

Dos 32 pórticos, quatro aludem a filhos ilustres. Caso da cidade de Alagoa Grande, que construiu um eloquente reconhecimento à obra musical de Jackson do Pandeiro. O pórtico é inédito e original, trazendo a figura de um pandeiro em destaque, na sua parte central.

Já na vizinha de Alagoinha tem um bonito pórtico estilo “castelo medieval” com a seguinte inscrição em sua coluna direita: “Terra de Geraldo Beltrão”. Homenageia, assim, o saudoso causídico e primeiro prefeito da cidade, empossado no cargo logo após a emancipação do antigo distrito Paz de Alagoinha e consequente ascensão à categoria de município. 

Por sua vez, a sertaneja de Brejo do Cruz fez justiça ao talento do nacionalmente conhecido músico e cantor Zé Ramalho. O pórtico, no melhor estilo trave de campo de futebol, destaca em sua viga (da esquerda para a direita): “Bem vindo a Brejo do Cruz”. No centro, a imagem de um violão e, à direita, “Terra de Zé Ramalho”.

A caririzeira Monteiro ergueu sobre rodovia federal o seu pórtico. Atraente, o teto lembra uma casa de duas águas, típico da região nordestina, com o nome “Monteiro” em sua parte central. Suas colunas são estilizadas, simétricas. A da esquerda traz duas imagens: na parte de cima, a festa de São João; na de baixo, o famoso cantor Flávio José com a sua sanfona. A coluna da direita traz na parte de cima três cactáceas e embaixo um flautista, lembrando da musicalidade da terra. Salvo melhor juízo, registre-se que o artista mora em sua cidade natal, coisa rara no ramo.

Coxixola

Outros municípios como Taperoá e Conceição também homenagearam filhos famosos. Taperoá apresenta na entrada da cidade uma estrutura metálica monótona – comum na maioria das cidades brasileiras – em forma de trave de campo de futebol, que insiste em chamar de pórtico, não fazendo justiça aos verdadeiros e estilosos pórticos. Ariano Suassuna, o homenageado, merecia um projeto arquitetônico mais requintado.

Conceição traz uma placa retangular afixada ao topo de um mastro, com a inscrição à esquerda “Bem-vindo a Conceição Terra de Elba Ramalho” e à direita uma imagem da cantora portando um microfone. Indubitavelmente, a Elba merece um pórtico.

OUTROS MERECEDORES DE PÓRTICOS

Da música, vale a pena ainda citar o nascido em Conceição Pinto do Acordeon (recentemente falecido). Itabaiana é terra Sivuca, mundialmente celebrado como o gênio.

Roberta Miranda e Lucy Alves são pessoenses. Catolé do Rocha poderia homenagear Chico César, seu talentoso filho, fazendo como fez Brejo do Cruz com Zé Ramalho.

Do humor, trazemos à baila Jessier Quirino e Zé Lezim. Das letras, destacamos José Lins do Rego, José Américo de Almeida e Augusto dos Anjos. E para fechar a lista dos candidatáveis, outro filho famoso de Umbuzeiro, o jornalista Assis Chateaubriand, fundador dos Diários Associados.

São Bento

PÓRTICOS QUE EXALTAM A CIDADE

A cidade de Aroeiras enfatiza em seu pórtico a “Aroeiras Orgulho do Agreste”. O município litorâneo de Lucena destaca “Bem-vindo à terra do melhor coco do Brasil”. Já as cidades de Prata e São Francisco apregoam, respectivamente, “Bem vindo a Prata, Terra dos Grandes Mestres” e “Bem vindos a Cidade das Águas”.

OS PÓRTICOS QUANTO À SIMETRIA

A maioria absoluta (24/32), o que representa 75%, dos pórticos, apresenta simetria bilateral. Exemplos: Alagoa Grande, Alagoinha. Baia da Traição, Brejo do Cruz, Monteiro, Nazarezinho Pedro Regis, São Sebastião do Umbuzeiro e Triunfo.

Já os 25% (8/32) restantes apresentam-se assimétricos. Caso de Cabedelo, Conde , Coxixola, Cuité de Mamanguape, Mari, São Bento, São Francisco e Sobrado.

QUANTO AO PADRÃO DE CONSTRUÇÃO

Informalmente, podemos agrupar os pórticos em três categorias, de acordo com o padrão básico de construção:

Tipo 1 (trave de futebol) – Alagoa Nova, Aroeiras, Brejo do Cruz, Emas, Esperança, Ingá, Jacaraú, João Pessoa, Jerico, Juripiranga, Lucena, Prata, São Miguel de Taipu, e Coxixola.

Tipo 2 (trave com colunas ou vigas encurvadas) – Alagoa Grande, Alcantil, Baía da Traição, Caaporã, Conde, Nazarezinho, São Sebastiao do Umbuzeiro, Triunfo, Mari, Poço de José de Moura e São Francisco.

Tipo 3  (padrão indefinido) – Alagoinha, Cuité de Mamanguape, Pedro Régis, Cabedelo, São Bento, Sobrado, Jericó, Monteiro.

COM O NOME DA CIDADE, APENAS

Alagoa Nova, Alcantil , Caaporã, Esperança, João Pessoa, Jacaraú, Mari E Poço de José de Moura.

COM NOME DA CIDADE E MENSAGEM

Alagoinha, Aroeiras, Alagoa Grande; Brejo do Cruz, Coxixola, Cuité de Mamanguape , Emas, Juripiranga, Jerico, Lucena, Monteiro, Pedro Regis, Prata, São Sebastião do Umbuzeiro, São Miguel de Taipu, São Bento, São Francisco e Sobrado.

Pórtico de Alagoinha

PÓRTICOS SEM QUALQUER MENSAGEM

Baia da Traição, Cabedelo, Conde, Nazarezinho e Triunfo.

INTERNAUTAS OPINAM SOBRE PÓRTICOS

Alguns internautas tiveram acesso na primeira quinzena deste setembro a dois vídeos apresentados por este autor tendo como tema os “Pórticos da Paraíba”. Provocados a opinar sobre seus pórticos preferidos, a maioria ‘votou’ em Alagoa Grande e São Bento. Também mereceram citações Alagoinha, Cuité de Mamanguape, Coxixola, Brejo do Cruz, Prata e São Sebastiao do Umbuzeiro.

E você, leitor? Qual o pórtico da sua predileção?

  • • Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza é Médico e Professor universitário
  • Fotografias que ilustram a publicação foram fornecidas pelo autor

Uma resposta para PÓRTICOS DA PARAÍBA, por Eurípedes Mendonça

  1. José escreveu:

    O pórtico na entrada de Intermares, em Cabedelo, era muito bonito. Pena que tenha sido demolido para a ampliação da BR 230.