ATLETAS DA QUARENTENA, por Ana Lia Almeida

(Ilustração copiada de leroymerlin.com.br/)

Entre flexões e piruetas, eles elevam a faxina diária a um exercício de alto potencial aeróbico.

Ao varrer a casa, vão alongando braços e pernas para em seguida entrar com os polichinelos. 

Limpam o banheiro entre séries de agachamento. Um, dois; escova o vaso; um, dois, esfrega a pia. Pega o desinfetante, joga a água sanitária, vamos lá, pessoal!

Eles lavam os pratos na ponta dos pés, malhando, assim, as panturrilhas.

Tenho uma prima que desce e sobre todos os dias os 6 lances da escada que separam a sua casa do chão, para depois arrodear correndo a garagem do edifício incontáveis vezes.

Tudo isso fora a faxina, podem acreditar. Dia desses ela caiu de bunda no chão e ficou três dias sem sentar direito por causa de uma dessas peripécias.

Os isolados atletas não conhecem limites. Meu primo capoeirista quase quebra o braço jogando o dia inteiro dentro do apartamento. Calculou mal a meia-lua de frente, bateu na mesinha de centro, desequilibrou e caiu por cima do braço esquerdo.

Eu os admiro. Admito sentir uma pontadinha de inveja: suados, libertam-se um pouco das suas dores.

(para Ravina e Lennon)

  • Ana Lia Almeida é Professora e Escritora

Comente ATLETAS DA QUARENTENA, por Ana Lia Almeida

  1. ROMERO ANTONIO DE MOURA LEITE Disse:

    Muito bom

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *