Acusado é personagem de livro de jornalistas lançado ano passado

A trama começa a ser descoberta e um dos presos de hoje (12) no caso Marielle é um dos personagens do livro-reportagem Rio Sem Lei, lançado pela Geração Editorial, em meados de 2018.

Em agosto de 2011, dois policiais militares dispararam 21 tiros contra a juíza Patrícia Acioli quando ela chegava em casa, após um longo dia de trabalho. A juíza investigava assassinatos de centenas inocentes por policiais de um grupo de extermínio, em favelas da região metropolitana do Rio de Janeiro. Sete anos depois, na noite de 14 de março de 2018, a vereadora Marielle Franco, negra e ex-moradora do Complexo da Maré que denunciava feminicídios, levou quatro tiros na cabeça e morreu ao lado de seu motorista, Anderson Gomes. Eles tinham saído antes de uma reunião de mulheres negras. Os executores de Patrícia foram presos rapidamente, os de Marielle começam a ser descobertos agora. A polícia prendeu um sargento reformado da Polícia Militar e um ex-PM acusados do crime.

O sargento perdeu a perna esquerda num atentado a bomba em outubro 2009 quando, segundo a Polícia Federal, trabalhava para a máfia dos jogos ilegais. “A bomba instalada 30 centímetros à frente do banco do motorista explodiu em uma caminhonete Hilux blindada. O veículo percorreu 160 metros deixando um rastro de sangue até bater no poste que então o fez parar. A polícia não identificara o tipo de explosivo, mas concluiu que fora detonado por meio de um celular, conectado a um sistema elétrico composto por duas baterias. O conjunto estava num invólucro de PVC com ímãs de imenso poder de aderência, geralmente utilizados em discos rígidos de computadores”, diz trecho do livro.

O PM trabalhava na Delegacia de Repressão a Armas e Explosivos e também serviu no batalhão cujo comandante foi condenado pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli. O livro “Rio sem Lei” une as pontas do poder paralelo por trás dos homicídios de Marielle e Patrícia.

Escrito pelos jornalistas Hudson Corrêa e Diana Brito, o livro conta como o estado paralelo funciona e domina o Rio de Janeiro. São quatro organizações criminosas: a máfia dos jogos, o tráfico de drogas, as milícias e a banda podre da polícia. Os policiais corruptos aparecem em todas as pontas. Eles dão proteção aos chefes do jogo ilegal, recebem suborno de traficantes e estruturam grupos paramilitares chamados milícias. Os milicianos tomaram bairros e favelas com a promessa de expulsar o tráfico, mas começaram a extorquir moradores cobrando taxas de proteção (quem não paga morre) e por serviços de internet, gás de cozinha e TV a cabo. O livro revela que, outrora arqui-inimigos, os milicianos e os traficantes se associaram nas “narcomilícias”.

  • Texto de divulgação da Geração Editorial
  • Clique aqui para ler o primeiro capítulo

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *