GERAÇÃO PERDIDA? por Joaci Júnior

(Foto: G17 – Imagem meramente ilustrativa)

Olho em volta e me preocupo, sem generalizar. Vejo uma juventude que não se interessa por leitura, com escrita adaptada em linguagem internética. Pensar é verbo em desuso; repassar, verbo muito atual.

Esses jovens não constroem mais ideias, muito menos ideais. Não dialogam, quase só teclam, não se relacionam, apenas eventualmente ficam. Gostam de trocar o dia pela noite, literalmente. Não vivem, sobrevivem.

Pergunto: em que se transformará esta geração na meia idade?

Hoje, pego-me lembrando das rodas de amigos conversando na rua, amigos de colégio que viravam família para a vida inteira. Protesto de rua pela Democracia era para jovens.

Acordávamos cedo, cumpríamos horários de colégio, aprendíamos logo que tínhamos responsabilidades e que era preciso ter objetivos na vida. Pensávamos no futuro, no trabalhar para ganhar.

Vejo hoje uma juventude que quer sempre o atalho do caminho fácil, nem sempre legal. Domina a cultura do ter para se sentir no poder, algo que estimula as armadilhas da ilegalidade.

Que essa reflexão sirva para imaginar o que poderá ser o nosso mundo daqui a três ou quatro décadas.

Que adultos serão esses jovens com esse perfil?

  • ♦ Joaci Tavares de Araújo Júnior é contabilista

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *