Maestro narra as crises e grandes momentos da Sinfônica da Paraíba

Eduardo Nóbrega regente a OSPB por ocasião do lançamento de seu livro, ano passado (Foto: Arquivo Pessoal do Maestro)

Se você quer ou precisa conhecer e compreender como evoluiu – e também involuiu, por vezes – a música erudita no Estado, tem que ler Orquestra Sinfônica da Paraíba (OSPB) – Trajetória Artística e Dimensões Socioculturais, do Maestro Eduardo Nóbrega.

Fui presenteado esta semana pelo autor com um exemplar da obra na qual ele expõe com maestria o quanto grupos musicais do porte e importância de uma OSPB dependem de arranjos administrativos e composições políticas de cada governo para tocar sua própria existência.

Não se trata, porém, de narrativa condicionada às dificuldades e crises pelas quais passou a Orquestra. Eduardo também destaca os melhores momentos, os grandes concertos e shows – incluindo aqueles em parceria com solistas consagrados e expoentes da música popular – que deram fama nacional e reconhecimento internacional à OSPB.

“O contexto político é determinante para os rumos de grupos como a Orquestra”, afirma Eduardo. Mas decisões ou posturas de governos e governadores em relação à Sinfônica paraibana também trouxeram resultados positivos, ressalva o autor, que é Professor da UFPB e Mestre em Etnomusicologia pela mesma instituição.

O livro, impresso pela Editora Universitária da UFPB em 2013, faz parte da Coleção Humanidades do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) da instituição. O lançamento solene aconteceu em 31 de março de 2017, na sede da Associação dos Docentes da UFPB (Aduf), em João Pessoa, ocasião em que Eduardo regeu a OSPB, da qual é fagotista.

Docente há 15 anos do Departamento de Educação Musical da Universidade, Eduardo de Oliveira Nóbrega é ainda coordenador-geral do Festival Paraibano de Coros (Fepac), regente e diretor musical dos corais da UFPB, da Coteminas, da Ordem dos Advogados do Brasil na Paraíba (OAB-PB) e do Instituto de Previdência do Município (IPM), órgão vinculado à Prefeitura da Capital.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *