LIBERAIS E SOCIALISTAS DE FANCARIA, por Rubens Pinto Lyra

(Foto: Ilustração por Dulla/Revista Galileu)

Um a um, os partidos ditos liberais, que compõem o chamado Centrão, proclamaram sua suposta neutralidade entre o candidato petista Fernando Haddad e o protofacista Jair Bolsonaro.

Na verdade, essa atitude, cômoda para esses partidos, também o é para esse aspirante a ditador, pois encobre o apoio a ele emprestado pela esmagadora maioria das lideranças “centristas” – que os envolvidos não têm interesse em tornar público.

O autodenominado Centrão justifica o seu abstencionismo com o falso argumento, que seria apenas risível se não fosse por ele insistentemente utilizado, por jornais de destaque da mídia nacional e por expoentes do pensamento conservador, de que, ambos, o candidato do PT e o aspirante a ditador constituem ameaça à democracia.

A máxima popular “contra fatos não há argumentos” é por eles desconsiderada, já que o PT governou o país 14 anos e, nem em nível internacional nem doméstico, se questionou o respeito com que, grosso modo, ele tratou as instituições (Congresso, Ministério Público, Poder Judiciário).

Mais do que isto, contribuiu decisivamente para o fortalecimento dos poderes e instituições de defesa do Estado.

A Folha de São Paulo – ícone desse liberalismo – chega a personalizar a questão, conclamando os dois candidatos a mudarem as suas posturas. Ora, não se pode tratar da mesma forma as posições que considera insatisfatórias de Fernando Haddad – que vêm, aliás, sendo revistas por esse candidato – e as do postulante militar à Presidência, intrinsecamente antidemocráticas, não perdendo ele a oportunidade de reiterar seu endosso à ditadura de 1964.

As lideranças mais expressivas dos “centristas” (até mesmo quem, como Tarso Jeiressati, considera Bolsonaro um perigo para a democracia) ao decidirem permanecer em cima do muro, optaram, ipso facto, por se tornarem linha auxiliar da extrema direita.

Não foi assim que se comportou a esquerda na França, alguns anos atrás, quando os socialistas foram derrotados logo no primeiro turno, restando a opção para Presidente entre Nicolas Sarközy, representando a “direita civilizada”, e a extrema direita, personificada por Marine Le Pen. Eles declararam apoio à Sarközy, impedindo dessa forma a vitória da candidata extremista.

Todavia, não há como ignorar que, no âmbito da esquerda, alguns prevaricaram. Primeiramente, o PSB, com a absurda decisão de liberar dois de seus candidatos a governador do compromisso partidário de apoio a Haddad, por conveniências eleitorais.

Se o que está em jogo é a democracia, como se pode admitir, como fazem os socialistas, que uma disputa eleitoral de caráter regional se sobreponha, com a neutralidade de candidatos de seu partido a governador, às questões maiores, postas pela eleição presidencial?

Com efeito, sabemos que as próprias eleições, mais adiante, poderão não ocorrer – ou se transformar em uma farsa – caso o protofacista venha a se eleger. Isto significa, mesquinhamente, sacrificar o mais pelo menos.

Já o PDT declarou apoio critico a Haddad, mas informando que não participará de sua campanha, enquanto o seu ex-candidato à Presidência se ausenta no momento crucial do segundo turno para vilegiatura na Europa.

Como poderá Ciro Gomes justificá-la quando os milhões de votos que lhe foram atribuídos podem faltar a Haddad – quero dizer, à democracia – pela inadmissível omissão do candidato pedetista?

É muito grave que a dimensão do que está em jogo não seja compreendida por boa parte do eleitorado, para isso concorrendo a falsa neutralidade de suas “elites” políticas, que precisam ser desmascaradas para a preservação da própria democracia.

  • O autor é Doutor em Direito Público e Ciência Política e Professor Emérito da UFPB
  • Contatos: rubelyra@uol.com.br

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *