Exposição Livro-Objeto começa nesta quinta no Celeiro Criativo

Artistas, professores e alunos envolvidos na pré-montagem da exposição

Será aberta às 19h de amanhã (4) em João Pessoa, no Celeiro Espaço Criativo (Avenida João Cirilo da Silva, Altiplano), a Exposição Livro-Objeto, organizada pela artista plástica paraibana Maria dos Mares e pelos professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Amélia Panet e Ricardo Lucena.

Além de obras dos três idealizadores do projeto, a mostra também traz peças do artista pernambucano Sebastião Pedrosa, do grafiteiro Giga Brown e de 12 professores e 60 crianças e adolescentes da rede municipal de ensino de João Pessoa.

Todos os trabalhos tomam inspiração na proposta do livro-objeto ou “livro de arte”, como conceitua o pintor, desenhista e crítico de arte Raul Córdula, curador da exposição. Trata-se de um livro artesanalmente confeccionado que extrapola os limites da literatura tradicional e se insere também no mundo das artes plásticas.

O evento contará com apresentação da Orquestra Infantil do Centro Cultural Tenente Lucena, que fará a recepção dos visitantes no jardim do Celeiro. Haverá ainda intervenção com o ator André Morais, cantando e declamando poemas, além da participação da cantora Agnes Nunes e do músico Lucas Carvalho.

Raul Córdula: pioneirismo da Paraíba

Raul Córdula lembra que a capital paraibana foi palco, em 1980, da primeira exposição em livro de artista, ou livro-objeto, da região Nordeste. “E provavelmente também foi a primeira do Brasil. Foi a primeira exposição do Núcleo de Arte Contemporânea da Universidade Federal da Paraíba e nela estava a coleção de Antônio Dias, um artista fundamental para a arte plástica brasileira, paraibano de Campina Grande e falecido recentemente”, explica.

Junto às obras de Antônio Dias, estavam peças de vários colecionadores de Recife, de Fortaleza e também da Paraíba. “Então, mais de três décadas depois, a cidade está vendo uma exposição de livro de artista feita por artistas locais. É, sem dúvida alguma, um trabalho de vanguarda que eu, como curador, só posso recomendar”, acrescenta Raul Córdula.

A mostra ficará aberta durante todo o mês de outubro, oferecendo-se como atrativo do período em que se comemora o Dia das Crianças. Além dos livros-objetos, que encantam pela plasticidade e convidam à leitura, o espaço também oferecerá uma exposição de brinquedos artesanais.

“Parte dos livros-objetos estarão dispostos em ‘fiteiros’ [espécie de vitrines nas quais tradicionalmente se expõem balas] construídos especialmente para a exposição e poderão ser manuseados pelas crianças e também pelos adultos”, explica a idealizadora da exposição, Maria dos Mares, acrescentando que a proposta é dialogar com todos os públicos, de todas as idades.

Livros prontos para a exposição

Pré-montagem

Na tarde da última quinta-feira (27/9), os organizadores da exposição realizaram um evento de pré-montagem com a presença de parte dos alunos e professores responsáveis pelas obras. Na ocasião, a atriz Angélica Lemos realizou uma performance artística declamando o texto “Desempacotando a minha biblioteca”, de Walter Benjamim, e convidando os presentes a desembrulharem as obras.

Os estudantes puderam, então, não apenas ver suas peças em exposição como também folhear os livros confeccionados pelos colegas e trocar ideias sobre os trabalhos. Após a atividade, foi servido um lanche no jardim do Celeiro Espaço Criativo.

Sobre o projeto

O projeto Livro-Objeto tem como principal objeto, segundo Maria dos Mares, estimular o interesse pela leitura. Mas a exploração desse produto híbrido entre literatura e artes visuais também amplia as possibilidades da rotina de ensino. Tanto que a proposta inicial de convidar apenas professores de artes se ampliou.

Sala pronta para abertura da exposição

Educadores das mais diferentes disciplinas também puderam aprender a construir livros-objetos para produzir, junto com os alunos, peças que explorem temas daquelas áreas de conhecimento, contribuindo para a assimilação dos assuntos.

Com a ideia do projeto no papel, os idealizadores o submeteram ao Edital do Fundo Municipal de Cultura (FMC) da Prefeitura Municipal de João Pessoa. Após a liberação do financiamento, a equipe primeiramente ofereceu a 12 professores da rede municipal duas oficinas: de narrativa e ilustração, nos dias 3 e 10 de agosto, e de encadernação, no dia 17 de agosto.

Os dois primeiros dias de aula foram ministrados pela artista plástica paraibana Minna Miná e o último dia, pelos artistas Anadelly Oliveira e Paulo Oliveira.

A parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), por meio do Programa de Bolsas de Extensão (Probex) foi essencial para integrar a participação de alunos e professores. Durante as oficinas, os educadores produziram seus próprios livros-objetos e, ao final das aulas, ganharam a responsabilidade de compartilhar aquele conhecimento com pelo menos cinco alunos cada.

  • Com informações, fotos e texto de Renata Ferreira

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *