Procon faz uma incrível Operação 8.88 em posto de gasolina

Os fiscais acreditavam que o 8,888 de uma placa como essa era preço e não a falta dele

O Posto de Afrânio, dos mais conhecidos e concorridos revendedores de combustível de João Pessoa, viveu momentos de verdadeira tragicomédia no meio desta semana ao ser alvo de uma inusitada ‘Operação 8.88’.

Na última quarta-feira (30), ainda nos estertores do movimento dos caminhoneiros, fiscais do MP-Procon e do Procon municipal desembarcaram no posto, localizado na Avenida Beira-Rio (Torre), decididos a prender o gerente do estabelecimento que estaria vendendo gasolina aditivada a R$ 8,888 o litro.

Por incrível e hilário que possa parecer, os agentes da ‘operação’ demonstravam não saber que os 8.888 da placa onde o posto expõe seus preços indicavam, justa e precisamente, que não havia gasolina aditivada. E, portanto, de lá foram arrancadas as fitinhas adesivas que preenchem o valor de cada produto em oferta.

Segundo relato colhido pelo blog, percebendo que não adiantava explicar ao aparente líder da fiscalização que o 8.888 não era nada além de um espaço vazio, o aflito gerente correu e arrancou toda a placa de preços, em desesperada tentativa de evitar sua prisão e uma presumível multa daquelas bem pesadas.

A confusão só terminou com a chegada do próprio Afrânio Bezerra, dono do posto. Ex-deputado e promotor de Justiça aposentado, o empresário viu-se forçado a informar aos fiscais que sabia exatamente onde começavam e terminavam os seus direitos. Da mesma forma, sabia que estava diante de uma ameaça de autuação movida a arbitrariedade e ignorância.

A partir daí, ‘caiu a ficha’ da força-tarefa e seus membros bateram em retirada. Mas sem sequer pedirem desculpas pelo transtorno causado e desorientação a que submeteram os potenciais clientes que chegariam depois e não encontrariam uma placa de preços que todo posto é obrigado a exibir em local visível.

Em tempo: a placa, consertada, seria reposta no dia seguinte. O serviço custou mais de R$ 600.

Procon-JP diz que não participou

Helton Renê, secretário municipal de Defesa do Consumidor, esclareceu na manhã de hoje (2) que o Procon-JP não fez parte da ‘Operação 8,88’ no Posto de Afrânio.

  • Atualizada às 11h57

3 Comente Procon faz uma incrível Operação 8.88 em posto de gasolina

  1. Robson Disse:

    Se fosse um filme eu daria o título “As Trapalhadas dos Pavões”!

  2. Jair Cesar de Miranda Coelho Disse:

    Um absurdo. Um descalabro meu bom amigo e douto jornalista Rubens Nobrega. Logo onde? No nosso bom e querido amigo Afranio Bezerra. Demonstra despreparo e arrogancia dos que deveriam ser e não são fiscais da lei. Brasil, Brasil, país dos absurdos.

  3. RADAR Disse:

    Afrânio é irmão de Hervázio, borra botas de Reicardo Coutinho.
    Esse é o posto mais caro do Mundo. Tudo nele vendido é caro e está acima da lógica de mercado – inclusive. Se o consumidor pessoense tivesse vergonha na cara, não passava nem na calçada. Esse posto é indigno de receber qualquer consumidor, seja ele quem for.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *