Bananeiras lança livro que estimula debate crítico sobre educação

Escolas Transformadoras do Brasil lança publicação ‘O ser e o agir transformador – para mudar a conversa sobre educação’ dia 8 de junho na Paraíba. Livro reúne experiências das 15 primeiras escolas reconhecidas pelo programa, entre elas a Escola Nossa Senhora do Carmo, de Bananeiras.

Quais os desafios, motivações e caminhos encontrados pelas escolas na formação de pessoas transformadoras e na transformação da sociedade?

Essa narrativa, construída por estudantes, educadores, familiares, secretários de educação e especialistas em educação, resultou na nova publicação do programa Escolas Transformadoras, iniciativa da Ashoka correalizada no Brasil com o Instituto Alana: ‘O ser e o agir transformador – para mudar a conversa sobre educação’.

Para apresentá-la, a Escola Nossa Senhora do Carmo (ENSC), integrante da comunidade, promove uma programação especial na Universidade Federal da Paraíba | Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias (UFPB/CCHSA), dias 7, 8 e 9 de junho. O lançamento oficial da publicação está marcado para o segundo dia de atividade, às 16h.

Para a abertura dos diálogos com as pessoas que protagonizaram transformações na escola e na sociedade, o Escolas Transformadoras realiza uma conversa dia 7, às 20h, com a presença de Leila Coelho, diretora da Escola Nossa Senhora do Carmo, e da educadora Sonia Goulart.

No dia seguinte (8), às 14h, Carlos Rodrigues Brandão, educador e antropólogo, e Helena Singer, diretora de Estratégia de Juventude da Ashoka para a América Latina, participam da mesa de debate “Mudando a conversa sobre educação”.

No terceiro dia (9), é a vez dos representantes de três escolas que integram a rede, incluindo a de Bananeiras, compartilharem suas experiências e práticas com o público. A programação completa está disponível aqui.

Para Raquel Franzim, cocoordenadora do Escolas Transformadoras do Brasil, essa publicação é um convite para o debate crítico. “A educação é uma das principais ferramentas de formação de pessoas com esse olhar apurado para a solução de problemas, para transformar a sociedade”, diz.

De acordo com ela, a educação realmente transformadora é algo que ultrapassa os muros e sala de aula e um dos diferenciais dessas escolas são seus currículos: vivos, críticos e diversos. “A formação inicial precisa contemplar espaços para problematizar a visão que os futuros professores têm sobre projetos de educação. É um importante momento para ampliar as referências.”

A publicação teve patrocínio do Instituto Jama e aborda desafios, motivações, impactos e incidências das escolas transformadoras, apoiados pela reflexão de educadores, jornalistas, empreendedores sociais e secretários de educação.

Com prefácio de Bill Drayton, CEO e fundador da Ashoka, a publicação tem quatro capítulos, que reúnem a conversa inspiradora de quatro mulheres: Anamaria Schindler, diretora da Ashoka na América Latina; Ana Lucia Vilella, fundadora e presidente do Alana; Natacha Costa, da Associação Escola Cidade Aprendiz; e Ana Elisa Siqueira, da EMEF Amorim Lima.

A obra também dá voz aos estudantes das escolas refletidas e abre espaço para convidados como Flavio Bassi, diretor de empatia e juventude da Ashoka na América Latina e Mary Gordon, fundadora do Rootys of Empaty.

Serviço

Publicação ‘O ser e o agir transformador – para mudar a conversa sobre educação’

Data: 8 de junho, às 16h

Local: Universidade Federal da Paraíba – Auditório CCHSA

Endereço: Campus III – Rua João Pessoa, s/n – Cidade Universitária, Bananeiras

  • Divulgação do Instituto Alana/2Pró Comunicação

2 Comente Bananeiras lança livro que estimula debate crítico sobre educação

  1. Epaminondas Vitorino da Silva Disse:

    Que bom se eu pudesse estaria neste momento

  2. MARIA ELIETE OLIVEIRA Disse:

    Momento ímpar para o Brejo Paraibano!

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *