A ALTERNATIVA CÁSSIO, por Flávio Lúcio Vieira

Cássio com Cartaxo. Ou não (Foto: Arquivo)

A estratégia do senador tucano Cássio Cunha Lima para 2018 se orientou até agora pela necessidade de sobreviver a todo custo como umas das principais lideranças estaduais da Paraíba.

Movimentos dos últimos dias parecem indicar uma mudança nessa estratégia que pode levá-lo a optar por uma “derrota honrosa” – o termo não é meu – caso os lances projetados há alguns meses  pelo governador Ricardo Coutinho se efetivem até abril.

O status  político atual Cássio adquiriu em 2002, quando se elegeu governador e passou a dividir com José Maranhão o outro lado da gangorra eleitoral que, até 1998, pertenceu a seu pai, Ronaldo Cunha Lima.

A cassação do mandato de governador por corrupção eleitoral em 2009 lançou uma sombra sobre o futuro do herdeiro político dos Cunha Lima, o que forçou-o a uma aproximação com o então prefeito de João Pessoa e liderança ascendente à época, Ricardo Coutinho.

RC fez em 2010 o caminho que todas as vitoriosas lideranças de esquerda no Nordeste fizeram para quebrar a disputa intra-oligárquica e se constituir logo depois como um polo político e social aglutinador.

Essa aproximação acabou por resultar na aliança eleitoral que, em 2010, acabou por se constituir num poderoso palanque para Cássio, fator inquestionavelmente decisivo para sua eleição para o Senado.

Cássio sobreviveu a 2010. Oito anos depois e uma derrota para o governo no meio, entretanto, Cássio Cunha Lima se encontra mais uma vez na mesma encruzilhada. E numa encruzilhada muito mais complicada.

Em 2010, o quadro era mais simples. Não havia alternativa eleitoral viável no campo do cassismo (a candidatura de Cícero Lucena era apenas uma miragem) e José Maranhão, então governador e candidato à reeleição, aglutinava um imenso bloco de partidos, com destaque para o PT e Lula.

O desafio para Cássio é muito maior em 2018. Juntar de novo a oposição, agora contra o governador Ricardo Coutinho, é uma engenharia política cada vez de difícil realização.

Primeiro, porque na oposição parece ter hoje muito cacique para  pouco índio − dois prefeitos das duas maiores cidades paraibanas e um senador e ex-governador.

Além disso, a liderança de Cássio não só já não é a mesma, mas é cada vez mais contestada dentro e fora do PSDB.

E tanto Romero Rodrigues quanto Luciano Cartaxo demostram mais dúvida do que certezas de que vão mesmo renunciar a seus cargos para enfrentar uma disputa que promete ser dura e que só acontece seis meses depois da entrega dos cargos – e seis meses em política é uma eternidade, principalmente se nos cargos de vice se encontram lideranças historicamente não-identificadas com os titulares.

Caso nem Romero Rodrigues nem Luciano Cartaxo renunciem aos cargos para serem candidatos, restaria hoje à oposição o nome de José Maranhão, para cujo palanque fluirá não apenas a oposição paraibana, mas será ele o palanque do bloco nacional que indicará o candidato a presidente da aliança PMDB-PSDB (dinheiro não vai faltar!)

Imaginemos a hipótese de Ricardo Coutinho ser candidato ao Senado. A situação de Cássio se complicaria ainda mais, porque, nesse caso, teríamos uma vaga a ser disputada. Cássio arriscaria?

Por isso, com Romero e Cartaxo na iminência de roer a corda, sobraria para Cássio o sacrifício da candidatura, para evitar que ela caia no colo de Maranhão. Como prêmio de consolação em caso de uma derrota, Cássio  projetaria ainda mais o  filho e criaria as condições para ser o candidato natural a suceder Romero Rodrigues.

Nesse caso, Cássio conseguiria o apoio de Cartaxo?

Eis a questão.

2 Comente A ALTERNATIVA CÁSSIO, por Flávio Lúcio Vieira

  1. A BABADA É GRANDE Disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tudo leva Ricardo Coutinha ao quase DEUS!!!!

  2. Robson Disse:

    Flávio Lúcio já está “imaginando a hipótese” de Ricardo candidato a senador? Eu tenho certeza… O futuro dirá…

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *