Samu bate recorde de inatividade no interior da Paraíba

Sete meses depois, o prefeito Fernando Naia, de Rio Tinto, viaja a Brasília “para resolver” (Foto: PMRT)

Quebrada e parada há sete meses em Rio Tinto, ambulância do Samu deixa de atender a pelo menos 55 pessoas por mês no Vale do Mamanguape

Mais um recorde negativo para serviços de saúde no interior da Paraíba: está quebrada e parada há sete meses a única ambulância do Samu disponível para os mais de 50 mil habitantes de três municípios do Vale do Mamanguape.

A informação foi confirmada na manhã de hoje (20) por Isabel Rosendo, secretária de Saúde da Prefeitura de Rio Tinto, que tem a responsabilidade de disponibilizar o Samu também para moradores e visitantes de Marcação e Baía da Traição.

“Mas o prefeito Fernando Naia está viajando hoje para Brasília para resolver essa situação, pois outros municípios próximos já receberam ambulâncias novas e nada veio até aqui para Rio Tinto”, disse a secretária Isabel Rosendo.

Ela informou ainda o que pode ter sido a única providência adotada até agora pela administração municipal para sanar o problema: o seguro foi acionado para avaliar o possível conserto da ambulância. Ficaria por R$ 30 mil.

A Prefeitura foi aconselhada a não fazer o serviço, acrescentou a secretária. Provavelmente porque o veículo é ano de 2010 e de ‘alta quilometragem’. O investimento em reparos atentaria contra o princípio da economicidade.

  • Com informações do portal PBVale

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *