Bolsonaro, o mito de pés de barro

Por Ana Pompeu, da Revista Congresso em Foco

Em Blumenau, na Oktoberfest: a conta da hospedagem foi para a Câmara (Flicker/Bolsonaro)

Ele desperta os sentimentos mais contraditórios. Aos olhos de seus seguidores, é o salvador da pátria, o mito, o único homem capaz de pôr ordem no país. Seus críticos, porém, o veem como um perigo para o Brasil e sua incipiente democracia.

Depois de quase 30 anos na Câmara, Jair Bolsonaro (PSC-RJ) deixou de ser um personagem folclórico parar virar um fenômeno a ser levado a sério. Desde março, o capitão reformado do Exército aparece na segunda colocação nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência.

Vendendo-se como um homem acima de qualquer suspeita, ele apresenta produção legislativa pífia em três décadas de Câmara, onde nunca ocupou cargo de destaque, sempre integrou o chamado baixo clero e é mais conhecido pelas confusões em que se mete do que por sua atuação parlamentar.

Visto como novidade, ele projeta entre os seus fãs uma imagem de herói em tudo diferente do que ele foi como político até agora. O Congresso em Foco reproduz nesta quinta-feira (14) o perfil de 11 páginas de Bolsonaro que estampou a capa da 26ª edição da Revista Congresso em Foco.

Veja a íntegra da reportagem

<< Bolsonaro, o homem e o mito

Confira ainda:

<< As frases polêmicas de Jair Bolsonaro

<< Bolsonaro empregou ex-mulher e parentes dela no Legislativo, diz O Globo

<< Bolsonaro descola de Marina, e Lula vence em todos os cenários, mostra Datafolha

2 Comente Bolsonaro, o mito de pés de barro

  1. josé carlos de A Moura Disse:

    Amigo, chegamos no fim do poço.
    Na minha palpérrima análise.
    Não temos um ser vivo a quem nos recorrer para salvaguar as futuras gerações.
    Não velo saída com esses que nos apresentam para comandar um país doente de morte…😢

  2. Alysson Disse:

    Registra a História que, na sucessão de Costa e Silva, os militares se dividiam entre Jarbas Passarinho e Albuquerque Lima. Até que um general disse que gostava muito do Passarinho, mas não batia continência para coronel. Por fim, Médici foi promovido à general de quatro estrelas e derrotou Albuquerque Lima na disputa interna. Bolsonaro é capitão e provavelmente só tem a simpatia de oficiais de baixa patente e soldado raso.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *