RONA

Auditório do Epsi – Espaço Psicanalítico – na noite de quinta-feira (7), em João Pessoa

Tem gente que dá gosto ser contemporâneo dela. É muito bom saber que existimos no mesmo mundo e ao mesmo tempo que gente assim. Eu conheço alguém assim.

Do mesmo modo ou parecido, tem pessoa que faz você se sentir melhor apenas por intuir que pode contar sempre com ela, inclusive para “o que não pode ser o que é”, com diz o verso de Antunes, poeta dos bons feito essa pessoa que conheço.

É coisa de muita sorte mesmo, acreditem, encontrar um cara que a gente elege amigo e depois de ele tomar posse em nossos afetos descobre que o cara é mesmo amigo de fé, irmão e camarada, exatamente como lembra aquela canção do Roberto.

Eu conheço um cara assim.

Como se fosse pouco, ele preenche todos os clichês e se encaixa em todos os adjetivos do bem dizer. Mas pode ser que tenha defeitos. Não sei nem quero saber. E se achar algum por aí, tranco na gaveta mais esquecida e jogo a chave fora. Pronto.

Bem, garanto que teria muito mais, mas vou logo dizer quem é, embora tal informação seja completamente dispensável para quem convive, trabalha, estuda e aprende com ele ou, simplesmente, lê Ronaldo Monte.

  • Ao amigo, cidadão, professor, escritor, poeta e psicanalista Ronaldo Monte de Almeida, na foto agradecendo a homenagem do Epsi

2 Comente RONA

  1. Rona Monte Disse:

    Como eu já lhe disse, é melhor averiguar se tudo o que se disse na homenagem do Epsi é verdade. Ali, é tudo amigo, como você.

  2. Tereza Barros Disse:

    Amigo de uma e tantas outras vidas. Rona é o que é porquê não é sozinho. Porquê é Rona e Goga. Porquê é mestre e aprendiz. Porque poeta e psicanalista. Porque incrédulo é promotor da ESPERANÇA.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *