Centro que vai tratar microcefalia ganha sede própria em Campina

Médica Adriana Melo, pesquisadora e líder do novo Instituto (Foto: Arquivo)

Anunciada para sábado (1º) inauguração do Ipesq em Campina Grande

A Energisa anunciou nesta quarta-feira (28) a inauguração, às 10h do próximo sábado (1º de julho), da sede própria do Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (Ipesq) em Campina Grande, obra para a qual contribuiu convênio firmado com a concessionária de energia elétrica. O evento faz da Paraíba referência na pesquisa e tratamento da microcefalia ocasionada pelo zika vírus.

O Instituto, onde funcionará o Centro de Apoio Integrado a Crianças com Microcefalia e Síndrome Zika Congênita, é resultado dos estudos e da abnegação com que a médica Adriana Melo entregou-se à à descoberta das causas da microcefalia em mães e bebês portadoras do vírus. Ela é especialista em gestação de alto risco e seu ambiente de trabalho funcionava em espaço cedido pelo Hospital Dom Pedro I.

“Agora, com um espaço próprio, temos estrutura para ampliar nosso trabalho. Uma das novidades é o atendimento de fisioterapia e, em breve, vamos oferecer também fonoaudiologia. Outra perspectiva é que a gente aumente o número de crianças/famílias atendidas. Hoje são 125. Isso será possível na medida em que tivermos mais pessoas contribuindo e fazendo doações”, afirma Adriana Melo em nota distribuída hoje pela Energisa.

A empresa colaborou com o esforço da médica para criação e instalação de um centro aparelhado para atender às famílias afetadas pela doença. Desde agosto do ano passado, após a celebração de convênio, a Energisa arrecada nas contas de luz doações para ajudar o Ipesq a desenvolver pesquisas sobre microcefalia. A sede do Ipesq vai funcionar na Rua Salvino de Oliveira Neto, 87, Santo Antônio.

“Estamos felizes em fazer parte desse momento e vamos manter a parceria. Afinal, os estudos do Ipesq beneficiam toda a sociedade”, disse o diretor-presidente da Energisa Paraíba e Energisa Borborema, André Theobald, acrescentando que os interessados em contribuir com o Ipesq podem continuar fazendo doações via conta de energia elétrica, ajudando o Instituto a aprofundar suas pesquisas sobre formas de prevenção da microcefalia e tratamento especializado de mães e bebês, incluindo apoio psicológico, tudo sem fins lucrativos.

A Energisa adiantou que durante a inauguração de sábado dois grupos de grafiteiros (Acervo 03, de João Pessoa, e Nasa Crew, de Campina Grande) produzirão um painel na entrada do local. Quem estiver presente à solenidade poderá participar da intervenção, “deixando sua energia ao colocar as marcas das mãos nos desenhos”, segundo palavras do grafiteiro Pedro Barreto (Mulinga).

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *