Faltou pouco para cúpula da Segurança culpar jovem pela própria morte no Parque do Povo

(Foto: Reprodução/Facebook)

Mais um pouco e o jovem Davson Barbosa (foto), assassinado na noite de ontem (18) no Parque do Povo, em Campina Grande, seria culpado pela própria morte a golpes de faca ou de punhal no pescoço.

Golpes desferidos por suposto membro de um pretenso bando de ladrões que teria abordado Davson e um amigo dentro de um banheiro localizado por trás da Pirâmide do espaço que sedia ‘O Maior São João do Mundo’.

Depois da tragédia e sua repercussão, o que se viu foi um festival de auto-isenção patrocinado e protagonizado pelas maiores autoridades daquilo que em passado recente paraibanos chamavam de segurança pública.

Abrindo o espetáculo ‘tirando da reta’, o secretário de Estado Cláudio Lima (Defesa Social?) lembrou que o controle de acesso ao Parque do Povo não é feito pela Polícia, seja ela Militar ou Civil.

Referiu-se, claro, à entrada de arma branca no recinto sem que o tal ‘controle de acesso’ tenha funcionado. Controle esse feito por empresa de vigilância particular, em tese incapaz de detectar o metal da faca ou punhal assassino.

Se o controle foi insuficiente, é de se perguntar se o policiamento à disposição de uma noite com show de Wesley Safadão também o foi. Pelo visto, não. Conforme admitiu o próprio comandante da PM em Campina.

Segundo publicou o portal Paraíba Online, o coronel Almeida Martins, chefe do Comando de Policiamento Regional I (CPR1), reconheceu “que o efetivo ontem talvez tenha sido menor, em comparação com o público presente na festa”.

De qualquer modo, a afirmação do oficial não serve para seu ninguém condenar a Polícia pela desgraça que enlutou a família de Davson. Mas também não serve para qualquer um, autoridade ou não, afirmar que o policiamento estava adequado ao tamanho da festa.

Apenas esse detalhe bastaria para algum reconhecimento de que presença mais numerosa, mais ostensiva e mais cuidadosa de policiais no Parque do Povo poderia pelo menos inibir ataques como aquele que matou o cidadão.

Em vez disso, parecendo sempre mais preocupado em preservar ou fazer imagem de governo, em resposta a possíveis críticas o comandante-geral da PM, coronel Euller Chaves, lembra que a força pública não é onisciente nem onipresente e conclui, rápida e aprioristicamente, que a culpa pela morte de Davson pode ter sido de uma briga dentro de banheiro ou, em última instância, do “ser humano”.

Não há evidências nem informações de que o assassinato decorreu de briga dentro de banheiro. Afinal, sequer o inquérito policial aberto para apurar o fato chegou em tão curto espaço de tempo a qualquer conclusão.

No mais, desse jeito e diante de tanta obviedade para afastar qualquer responsabilidade de Estado diante da perda brutal de uma vida humana, não se admirem se concluírem que o ser humano culpado por tamanha violência atendia pelo nome de Davson Barbosa.

6 Comente Faltou pouco para cúpula da Segurança culpar jovem pela própria morte no Parque do Povo

  1. Sueli Disse:

    Quanta crueldade e falta de segurança! !!!

    • junior seba Disse:

      se nenhum desses orgãos publicos ou privados tem culpa do que houve, então a culpa pela morte do comerciante foi dele mesmo, que teve a vontade de ir no banheiro e no seu retorno foi sumariamente assasinado e sem direito a defesa, parabens aos organizadores dessa festa, eu nunca jamais em tempo algum irei para uma area de risco dessa, meus sentimentos a familia. e pra quem vai continuar indo muito cuidado, la é terra de ninguem.

      • nrmota Disse:

        A empresa contratada é a responsável direta pela insegurança interna do evento. A festa breganeja é evento privado realizado em ambiente público. A empresa ganhou a licitação, recebeu dinheiro público, sendo a grande responsável pela segurança interna do evento.

  2. edjane Souza Disse:

    Engraçado ano passado quando eu perdi meu marido em um assalto dentro do onibus que faz a linhq galante campina nesse mesmo período de festa. .ah que dizer que meu marido foi o culpado pela morte dele e os bandidos sao inocentes pelo amor de Deus quem perde somos nos familiares que a dor e grande e n tem fim…infelizmente bandido e protegido pelas leis…tou indignada com esse país

  3. E quem perdeu foi quem morreu mas garanto que a segurança dos políticos e até mesmo do próprio cantor reforçada mas de uma pessoa que estava ali pra brincar acaba pagando com a vida.mas sei que meu primo Deus tomou conta dele.e espero que essa justiça seja feita.

  4. nrmota Disse:

    Um absurdo!
    Agora, o Cel Euller Chaves tem suas razões e sobra.
    Rubão, os festejos juninos de Campina Grande, virou festa privada realizada em ambiente público e ainda com a participação do Poder público que banca parte do evento.
    Então, esse debate tem que ser feito, ou seja a segurança desses eventos privados ainda que realizados em ambiente público deve ser efetivada pela PM e PC(!?). A Sociedade tem que bancar a segurança de eventos privados, como partidas de futebol, festejos juninos, etc. (!?). Penso que não. Nos eventos esportivos, a Federação de Futebol ainda cobra ingresso, e não são baratos.
    No caso de Campina Grande, a segurança interna do evento é de responsabilidade plena da empresa contratada, que fiscaliza a entrada inclusive.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *