Ministério conserta canal e água volta a fluir rumo a Campina

Canal em reconstrução (Foto distribuída pela Assessoria do senador Cássio Cunha Lima)

O Ministério da Integração Nacional anunciou no começo da noite de ontem (13) que as águas do Eixo Leste do Projeto São Francisco retomaram nessa terça-feira seu curso rumo à Campina Grande (PB), após o conserto do canal da transposição que arrombou no último sábado (10) em trecho próximo ao reservatório de Copiti, entre os municípios de Sertânia e Custódia, próximo da divisa Pernambuco-Paraíba.

“A expectativa é de que, até o final desta semana, o reservatório Boqueirão receba a mesma vazão do ‘Velho Chico’ registrada desde a inauguração da obra”, disse o secretário de Infraestrutura Hídrica do Ministério, Antônio de Pádua, aos membros do Comitê de Gestão de Recursos Hídricos (CGRH) do Ministério Público da Paraíba (MPPB), durante reunião realizada na sede da MI, em Brasília.

O secretário insiste, contudo, em chamar o arrombamento de ‘vazamento’, mas garante que o Ministério trabalhou 24 horas por dia nos serviços de drenagem, aterro e concretagem do canal para restabelecimento do fluxo de água na noite de ontem. Pádua manifestou ainda a expectativa de que a vazão do São Francisco entregue pelo projeto, no município de Monteiro (PB), seja regularizada até amanhã (15).

Agilidade

Antônio de Pádua também explicou aos representantes do MPPB que nessa fase de pré-operação do Projeto São Francisco “quaisquer eventualidades que aconteçam no sistema são rapidamente solucionadas, porque as equipes técnicas do Ministério estão constantemente nos trechos de obra”.

“Também foi informado aos procuradores de Justiça que, no primeiro momento, o Ministério da Integração trabalhou para restabelecer a normalidade da pré-operação do sistema, garantido a segurança das comunidades que moram próximas aos canais, com a rápida contenção e reparo do vazamento registrado no sábado (10). O incidente não causou nenhuma vítima e a água do São Francisco seguiu por um riacho até chegar ao Rio Moxotó, em Pernambuco”, detalha a nota do MI.

Análise

O secretário Antônio de Pádua informou que paralelamente àquelas ações, o Ministério também notificou as empresas responsáveis, entre as quais as que projetaram, construíram e supervisionam a obra, para que as causas que motivaram o rompimento sejam esclarecidas. O representante do MI adiantou que os profissionais das empreiteiras já estão em campo analisando tecnicamente o acontecido.

A conclusão do Eixo Leste do Projeto São Francisco em abril deste ano deve permitir a normalização do abastecimento d’água em Campina Grande, via açude de Boqueirão, e de mais 18 municípios do chamado Polo da Borborema. São mais 700 mil pessoas que até agosto deverão se livrar do racionamento controlado pela Cagepa e a Agência Executiva das Águas da Paraíba (Aesa-PB).

Quando a água do Velho Chico finalmente chegou a Monteiro, em 10 de março passado, Boqueirão estava com apenas 2,9% de sua capacidade máxima (400 milhões de metros cúbicos). “Hoje, o manancial está com 6,3%. Esse número equivale a 117% de aumento no volume de água. Quando atingir 8,2%, já será possível acabar com o racionamento em Campina Grande, segunda maior cidade da Paraíba”, prevê o MI.

  • Com informações e texto da Ascom/MI

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *