Estado recolhe de suas escolas livro com história de rei que queria casar com a filha

A Secretaria Estadual da Educação (SEE) mandou recolher na rede escolar que mantém em toda a Paraíba livro distribuído recentemente pelo Ministério da Educação (Mec) que conta a história de um rei que queria se casar com uma filha e, como a moça recusou, foi presa e submetida a torturas.

O blog confirmou junto à Assessoria de Comunicação da SEE que foram tomadas providências visando ao recolhimento da obra – intitulada ‘Enquanto o sono não vem’, na qual está publicado o conto sobre ‘A triste história de Eredegalda’ – que o Mec distribuiu diretamente a todas as escolas do país, através dos Correios.

A reação ao conteúdo da história de Eredegalda começou no final de maio último em Vitória (ES), onde professores e demais profissionais da Educação denunciaram o quão inapropriada seria a leitura daquele livro para alunos de primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental. São crianças de seis e oito anos de idade.

O conto narra a tentativa de um rei de casar com uma de suas três filhas. Para tanto, ele propõe que a mãe da menina passe à condição de serviçal deles. Eredegalda recusa a proposta e o pai manda prendê-la em uma torre, obrigando-a ainda a comer carne salgada sem direito a tomar água.

Ao cabo de certo tempo, a moça cede e aceita se casar, mas o rei muda de ideia e resolve oferecer a filha como prêmio a um dos três cavalheiros que desejam a moça. Ganharia a mão de Eredegalda aquele que primeiro a socorresse com um jarro d’água. No final, o desafio revela-se inútil porque a princesa morre antes que algum pretendente pudesse alcançá-la para matar-lhe a sede.

O que diz o Mec

Em nota, o Ministério responsabilizou a gestão anterior por ter adotado o polêmico livro através de uma seleção realizada em 2014 pelo Programa Nacional do Livro Didático. “O processo foi realizado pela Universidade Federal de Minas Gerais, com respectiva comissão de especialistas. A atual gestão do Mec está revendo todo o processo de seleção dos livros didáticos e paradidáticos, visando à melhoria da qualidade da educação brasileira”, comunicou.

  • Colaboração do jornalista Arael Costa

2 Comente Estado recolhe de suas escolas livro com história de rei que queria casar com a filha

  1. Marcia Disse:

    INCESTO??? E ainda teve o kit gay.. mudei meu voto, agora sou BOLSONARO 2018

  2. Adriano Bezerra Disse:

    Como estudante de Letras de uma universidade federal me pergunto: Quem trabalha no MEC são pessoas que estão ligadas à educação?
    Não existe, ao meu ver, equipes que saibam como avaliar os conteúdos dos livros que chegam aos nossos filhos.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *