Mortes maternas crescem 84,6% na Paraíba

Ano passado, 48 mulheres morreram no Estado durante ou logo após a gestação (Foto: Divulgação)

Médico diz que assistência é frágil em todo o Estado. Hoje é o Dia Nacional de Luta pela Redução da Mortalidade Materna

Em cinco anos, a mortalidade materna cresceu 84,6%, na Paraíba. Ano passado, 48 paraibanas morreram durante a gravidez ou em até 42 dias depois do fim da gestação. Em 2012, foram 26 óbitos. O médico Eduardo Sérgio Souza, presidente do Comitê Estadual de Prevenção à Mortalidade Materna, diz que o número é muito alto e faz um diagnóstico geral: “Há uma fragilidade na assistência a grávidas, em todo o Estado”.

O médico explicou que a mortalidade materna é um indicador social da qualidade da assistência obstétrica. “A sociedade não está se organizando para evitar essas mortes. Não cabe culpar A ou B. Todos são importantes. A rede precisa estar organizada, regionalizada e hierarquizada para garantir a assistência do pré-natal a um serviço mais complexo que a grávida precise. Se as mulheres estão morrendo mais, a assistência não está funcionando”, explicou Souza.

O médico também destacou que a família das grávidas também têm um papel importante no sentido de incentivar o pré-natal e cobrar a assistência devida às mulheres. Sobre o aumento da mortalidade, ele disse que ainda está sendo feito um estudo para verificar as causas específicas. Mas, já foi visto que o problema não está em um ou outro município em particular, porque as mortes estão distribuídas por todo o Estado (em todas as regiões).

De acordo com dados do SIM/SES-PB, foram 48 óbitos, em 33 municípios. Em João Pessoa, aconteceram oito mortes e foram cinco em Campina Grande. As duas maiores cidades do Estado concentram 27% dos óbitos, em 2016.

Fonte: SIM/SES-PB

13 mortes este ano
Este ano, um dado parcial do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM/SES-PB), já aponta 13 mortes maternas. Três ocorreram na Capital. Baía da Traição, Barra de São Miguel, Campina Grande, Marcação, Massaranduba, Queimadas, Riacho dos Cavalos, Santa Rita, Santana de Mangueira, São José de Piranhas registraram uma morte, cada um.

SES-PB tem plano para reduzir mortalidade
A assessoria de imprensa da SES-PB disse que as explicações para o aumento das mortes maternas são várias, mas a principal delas, considerado o principal motivo para estes óbitos, é a ausência de pré-natal. Ainda segundo a assessoria, o Governo do Estado elaborou o Plano de Enfrentamento à Morte Materna, que será apresentado aos gestores de saúde na próxima terça-feira, dia 30.

  • Andréa Batista, jornalista/produtora de conteúdo freelancer

Comente Mortes maternas crescem 84,6% na Paraíba

  1. Glauco dos Santos Gouvêa Disse:

    Sete anos de desgoverno e só agora vem um plano? É muita incompetência!

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *