Jornal antecipa resultado de licitação de R$ 3 bi do BB

BB nega direcionamento da licitação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Segundo reportagem, a licitação, a maior do governo Temer, foi alvo de direcionamento. Informação foi publicada quatro dias antes da abertura das propostas

Em meio às investigações da Operação Lava Jato, que revelaram a existência de um cartel de empreiteiras a fraudar licitações da Petrobras e desviar dinheiro para políticos, uma concorrência realizada pelo Banco do Brasil expõe a instituição como um novo possível alvo de fraudes.

Quatro dias antes da abertura das propostas, direcionadas a contratos de publicidade, a Folha de S.Paulo divulgou a informação de que a empresa Multi Solution seria a vencedora.

Após a divulgação do resultado antecipado pelo jornal, o Banco do Brasil decidiu suspender a licitação e abrir uma investigação sobre o caso.

De acordo com a Folha, sua reportagem recebeu antecipadamente a informação de que houve direcionamento dentro do banco público para garantir que a Multi Solution estivesse entre as contratadas. A informação foi registrada pelo jornal em cartório na quinta-feira 20 e publicada em anúncio cifrado na seção de classificados do caderno Sobre Tudo do jornal no domingo 23.

Na manhã de segunda-feira 24, os envelopes com as propostas das empresas foram abertos e a Multi Solution foi confirmada no primeiro lugar da disputa, que elegeu outra três empresas para gerenciar a publicidade do banco pelos próximos 12 meses.

Trata-se de um contrato de 500 milhões de reais, que é prorrogável por mais cinco anos, podendo chegar, portanto, a três bilhões de reais.

É a maior concorrência pública de estatais feita desde que Michel Temer assumiu o Palácio do Planalto.

A modalidade da concorrência no contrato de publicidade era a de “melhor técnica”, na qual são avaliadas as propostas técnicas das concorrentes e também o preço proposto.

É um processo complexo, o primeiro contrato público conquistado pela Multi Solution, que até 2012 cuidou da conta da Itaipava, cervejaria envolvida com pagamentos de propina na Lava Jato.

De acordo com a Folha, as informações da concorrência foram avaliadas por uma subcomissão, composta por seis membros, dois sem vínculo com o Banco do Brasil (um do Ministério das Comunicações e outro da Petrobras) e quatro funcionários da instituição financeira.

O processo foi envolto em polêmica. O jornal especializado Meio & Mensagem afirmou na segunda-feira 24 que a NBS, uma das participantes da concorrência, vai entrar com um recurso questionando o resultado.

Inicialmente, a empresa estava na terceira colocação (que daria a ela parte do contrato), mas uma recontagem de fotos desclassificou a NBS, deixando a Nova/SB – que tem o contrato de outro banco estatal, a Caixa Econômica Federal – em terceiro lugar (a Z+ foi a segunda colocada). De acordo com o Meio & Mensagem, a NBS não teria obtido a nota mínima no quesito “Ideia Criativa”.

Procurado pela reportagem, o Banco do Brasil defendeu o processo de licitação e disse que a “escolha das novas agências de publicidade obedeceu rigorosamente a legislação e a definição das vencedoras foi norteada por critérios técnicos”.

  • Matéria da Redação da revista Carta Capital, publicada ontem (25) às 14h57

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *