Excluído do São João de Campina, Alcymar Monteiro chama evento de ‘festival de horrores’

Alcymar: “Maior Breganejo do Mundo” (Foto: Sertão Baiano)

Excluído do rol de artistas que se apresentarão no São João de Campina Grande em 2017, o cantor Alcymar Monteiro postou hoje (19) em sua página de Facebook um vídeo no qual chama o evento de aberração, festival de horrores e “o maior festival de breganejo” do mundo.

“O São João está virando uma festa estereotipada, de pessoas que nada têm a ver com a nossa cultura () Campina Grande eu posso dizer que o maior festival de breganejo do mundo e você, que está promovendo isso, devolva o nosso São João”, disse, provavelmente referindo-se ao prefeito da cidade, Romero Rodrigues, que este ano entregou a organização e realização d’O Maior São João do Mundo a uma empresa de Pernambuco.

A empresa foi vencedora de uma licitação aberta pela Prefeitura de Campina para estabelecer uma parceria público-privada que livrasse o município de obrigações e custos que somavam até R$ 8 milhões. Com a mudança, a PMCG estima que economizará pelo menos R$ 5 milhões com os festejos juninos. A ‘sobra’ será investida na construção de um hospital infantil.

Mas não se limitam ao intérprete cearense os protestos contra a contratação de astros da música sertaneja, do chamado forró de plástico e de bandas que exploram o ‘brega’. Músicos como Fabiano Guimarães e o Poeta Francinaldo, de Campina Grande, também gravaram sua revolta em vídeo porque não foram contratados para tocar no Maior São João do Mundo.

Clique aqui para acessar o vídeo de Alcymar Monteiro e aqui para o vídeo dos artistas campinenses.

19 Comente Excluído do São João de Campina, Alcymar Monteiro chama evento de ‘festival de horrores’

  1. Newton Mota Disse:

    Concordo plenamente com o Alcymar Monteiro, principalmente quando ele manifesta-se contundentemente: “O São João está virando uma festa estereotipada, de pessoas que nada têm a ver com a nossa cultura (…) Campina Grande eu posso dizer que o maior festival de breganejo do mundo e você, que está promovendo isso, devolva o nosso São João”.
    Havia muito tempo e a cada ano assistimos a desfiguração dessa que é a maior festa nordestina. Começamos pelas chamadas “quadrilhas estilizadas” uma verdadeira aberração cultural. Veio o forró de plástico, um tiro de morte na nossa cultura. Deixar de prestigiar os nossos valores, justamente aqueles que construiram a duras penas a nossa festa maior, é no mínimo absurdo, estúpido, uma covardia. Agora, cadê aqueles defensores dos interesses culturais maiores da nossa cidade !? Antes o formato antigo saturou, e agora veio esse formato direcionado meramente para o “ganhar dinheiro” – elitizado e voltado para agredir e a ferir de morte a nossa cultura. É triste !

    • Anderson Araújo Disse:

      Concordo com Alcymar Monteiro tira uma cara feito ele do São João de campina grande e colocar aquela merda de gil bala ninguém merece não.

  2. Décio Neves Disse:

    O artista Alcymar Monteiro é natural da cidade de Aurora,
    e no estado do Ceará. httpsww.google.com.br/search?q=alcymar+monteiro&oq=al&aqs=chrome.0.69i59j35i39j69i57j69i60j0j69i60.1621j0j4&client=ms-android-lenovo&sourceid=chrome-mobile&ie=UTF-8

  3. Décio Neves Disse:

    O artista Alcymar Monteiro é natural da cidade de Aurora,
    no estado do Ceará. httpsww.google.com.br/search?q=alcymar+monteiro&oq=al&aqs=chrome.0.69i59j35i39j69i57j69i60j0j69i60.1621j0j4&client=ms-android-lenovo&sourceid=chrome-mobile&ie=UTF-8

  4. ze pereira Disse:

    Alcymar está certíssimo. Estão colocando o São João de Campina no mesmo caminho trilhado pela Micarande. O que não tem qualidade não dura muito. O que atrai gente de fora é a possibilidade de ver a cultura local genuína. Quem quer ver sertanejo vai para São Paulo, Goiânia, etc. Por que viria para Campina? Acorda, Romero!

  5. A vida não feita somente de festa!
    Choro de escanteado, é normal! Isso passa! Mas a construção de um Hospital Infantil, para a cidade, é louvável, pertinente, deixa um legado de cuidado com as crianças Campinenses, e é sem sombra de dúvida, muito mais importante!
    Excelente alternativa, para gerir recurso e administrar a coisa pública!
    Temos de parar de olhar o próprio umbigo e dar valor a atitudes voltadas para a sociedade em um todo!

    • Marisa Fernandes Disse:

      Isso, se o dinheiro for realmente usado pra construção do hospital, não é? E não sumir… desaparecer… como é de costume!! Tudo se promete, e na hora do vamos ver… Cadê?

    • Newton Mota Disse:

      Carlos, vc está mais perdido que pitomba em boca de banguelo. Não se está discutindo saúde pública e muito menos construção de hospital, o que é um dever do gestor público. Não é favor !
      Note, festa junina é festa e celebração das tradições nordestinas. Infeliz é o povo que não sabe preservar a sua cultura, legado dos seus ancestrais, da sua descendência. Vai no Rio Grande do Sul e tenta, tenta tocar um forró. Lá não entra ! Porque lá se preservam as tradições gaúchas.
      Então amigo, ou preservamos as nossas tradições, as nossas raízes culturais, ou estaremos fadados a desaparecer do mapa.

      • maria do carmo Disse:

        MUITO BEM DITO ,SR NEWTON MOTA

      • Adauto Santos Disse:

        Olá, meus amigos, sou de de Salvador/Bahia e, há alguns anos, venho tecendo sérias críticas no que se refere à então crescente onda de “sufocamento” a que os artistas nordestinos, sobretudo aqueles que fazem o puro e autêntico forró, vêm, sutilmente, sofrendo pela perversa indústria cultural sob a chancela gestores municipais ou estaduais. Nada contra os arrocheiros e sofrenceiros de plantão (eu jamais compraria um cd/dvd deles), mas esta é, ao longo do ano, a rara oportunidade que os artistas nordestinos podem expor suas verdadeiras e autênticas Obras de Arte! As músicas de Marília Mendonça, Pablo, do pagodeiro Léo Santana e tantos outros são tocadas nas emissoras de rádio da Bahia o ano inteiro. Nas praias de Salvador, os sofrenceiros e pagodeiros exibem seus potentes sons (um verdadeiro estupro aos meus ouvidos – violência simbólica) impondo-nos uma musicalidade, em alguns casos, de cuja qualidade tenho lá minhas dúvidas! Por outro lado, as músicas que fazem remissão ao nosso autêntico forró só são lembradas no mês de junho. Nem mesmo as emissoras de FM dedicam alguns minutos, ao longo da semana, para tocarem estas músicas. O mais impressionante é que “falsos sacerdotes” se dizem fazer um tal “forró estilizado” (?), uma espécie de jargão que caiu da boca das pessoas mais incultas no tocante à cultura nordestina. Não quero me estender muito aqui, pois há muito do que se tratar e, o que aqui escrevo é um DESABAFO de um nordestino que ama esta manifestação cultural que, trazida dos portugueses, se fez arte suprema nas mãos de homens como Januário, Luiz Gonzaga e tantos outros. Eu não quero me restringir a postar meu apoio, total e irrestrito à manifestação da maravilhosa Elba Ramalho, Joquinha Gonzaga e tantos outros no que se refere à forma com que vem sendo conduzidos os festejos juninos aqui no nordeste. Quero fazer algo PRÁTICO cujos efeitos há de se perpetuar às nossas futuras gerações no sentido de se preservar o nosso bom e velho São João! Unamo-nos, portanto, em prol desta grande causa!

  6. Deise Santos Disse:

    Assino embaixo dw tudo que Alcimar disse. Ele sim é um representante legítimo da música nordestina

  7. germano barros Disse:

    Ele tem razão

  8. José Roberto Disse:

    Certíssimo!
    Vamos preservar e valorizar a cultura nordestina, o forró. O rei do baião, Luiz Gonzaga, batalhou tanto para que o Brasil conhecesse o forró, agora estão querendo ofuscar a música nordestina com a breganeja, no maior São João do mundo, se Luiz Gonzaga estivesse vivo estaria indignado, com essa falta de respeito. Vamos fazer um protesto para que no dia do show sertanejo, ninguém vá, e nesse dia procurar onde tem a nossa cultura, fazer show paralelo. Vocês tem certeza que esse prefeito nasceu em Campina Grande? Enquanto o povo não souber votar vai continuar sofrendo.

    • Newton Mota Disse:

      José Roberto, estarei sim a protestar. Quero o meu São João tradicional de volta. Que nos devolvam nossas tradições, tradições que estão sendo roubadas do povo. Haveremos de resgatar a tradição das quadrilhas genuinamente nordestinas, nos bairros de Campina. Que esses politiqueiros e aproveitadores, nos deixem em Paz juntamente com a nossa cultura, nossa identidade maior. Então, no dia do absurdo, vamos curtir shows paralelos e as quadrilhas de bairro. E nas eleições, haveremos de saber votar !

  9. Tatiane Disse:

    Sou Pernambucana, nasci no dia 23 de junho de 82 ás 17h…como esquecer as minhas tradições?? Amooo o forró porque o forró é belíssimo, canta a natureza, o amor, o trabalho do homem do campo.Entendo que nosso País é multicultural mas além disso é muito corrupto e tudo é em nome do dinheiro.Querem contratar esses artistas da moda de fora e enquanto pagam 1 milhão para esses sertanejos passarem uma hora no palco o que esse dinheiro não ajudaria ao cantadores daqui? O povo quer é brincar na rua e relembrar as brincadeiras da roça dançando um forrozin arretado! Devolvam meu São João! Viva ao rei do Baião, Alcimar e o Nordeste do meu coração!!!

    • Adauto Santos Disse:

      Tatiane, perfeito o seu comentário, e eu, na qualidade de nordestino venho me solidarizar com todos vocês da Paraíba neste protesto que é de todos nós. Vamos espalhar este nosso posicionamento nas redes sociais. No bairro em que moro, vou tentar me reunir com as lideranças (padres, professores e outros) para que difundam os elementos constituintes da cultura nordestina, em particular, o forró e suas danças que muitas pessoas nem mesmo conhecem hoje com a mazurca, o xaxado, o xote…

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *