Flávio Lúcio Vieira estreia coluna de análise política no Rubão

Convidado, o Professor Flávio Lúcio Vieira (foto) passa a colaborar com este blog a partir de hoje (30). Sua coluna de estreia será publicada logo mais, às 11h30. Trata dos movimentos pré-2018 dos principais expoentes políticos da Paraíba. Movimentos como os mais recentes dos ‘donos’ do PSDB e do PMDB, que podem jogar outra vez o prefeito Luciano Cartaxo nos braços – ou no colo – do governador Ricardo Coutinho.

Criador do blog ‘Pensamento Múltiplo’, momentaneamente desativado, Flávio Lúcio Vieira é dos mais conceituados analistas políticos da imprensa paraibana, onde não milita profissionalmente, pois sempre atua na condição de colaborador.

Faz por competência e gosto, quando lhe permitem suas atividades acadêmicas. Afinal, também na Academia ele é referência como docente e pesquisador, por sua produção científica e também pela liderança que exerce entre seus colegas.

Para quem ainda não o conhece, adiante o blog traz um resumo do seu Currículo Lattes, extraído da plataforma do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq):

• Professor Associado do Departamento de História da Universidade Federal da Paraíba onde ministra aulas e orienta;
• Graduado em História pela Universidade Federal da Paraíba (1993);
• Mestre em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba (1997);
• Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2002);
• trabalha com temas vinculados ao Nordeste brasileiro, desenvolvimento regional, desenvolvimento sustentável, desenvolvimento local e combate à pobreza;
• atualmente, desenvolve projeto de pesquisa a respeito das raízes históricas que delinearam o fracasso da estratégia de mudança promovida durante os governos de Lula e Dilma Rousseff (2003-2016) a partir da hipótese de que os conflitos que levaram ao impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, podem ser interpretados como uma atualização das contradições históricas da via de modernização burguesa e da formação das classes proprietárias brasileiras.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *