Órgão federal prevê que água armazenada na Paraíba pode acabar em um ano

O Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal, do Ministério da Ciência e Tecnologia, classifica como “acentuado” o risco de haver um esgotamento, entre novembro deste ano e janeiro de 2018, da água armazenada na maioria dos reservatórios da Paraíba e de mais três estados – Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Caso chova entre a média histórica e até 30% abaixo da média histórica, a situação hídrica na maioria dos reservatórios de abastecimento de água da região Nordeste não atingirá recuperação significativa no decorrer do primeiro semestre de 2017, que é o principal período da estação chuvosa do semiárido.

Este é um dos possíveis impactos da previsão climática sazonal por consenso para o trimestre fevereiro, março e abril de 2017, divulgada na última terça-feira (24) pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais, vinculado do MCTI.

De acordo com o estudo, a maioria dos indicadores climáticos globais e dos modelos continua apontando, especialmente para o norte da região Nordeste, maior probabilidade das chuvas se situarem na categoria abaixo da faixa normal climatológica, com distribuição de probabilidade em 25%, 35% e 40%.

Mantido esse cenário, estudo projeta também outro severo impacto “nas condições para agricultura e pecuária durante o período chuvoso principal, com predominância de áreas de seca severa no interior da região semiárida, principalmente no leste do Piauí, sul do Ceará, oeste de Pernambuco e centro-norte da Bahia”.

Elaborada com a participação de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e de outros órgãos ligados à área de meteorologia e climatologia, a previsão climática por consenso para o primeiro trimestre deste ano será novamente avaliada na próxima sexta-feira, dia 3 de fevereiro.

  • (Fonte: Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais)

4 Comente Órgão federal prevê que água armazenada na Paraíba pode acabar em um ano

  1. Newton Mota Disse:

    Rubão, temos a maior bacia hidrográfica do mundo. Não vemos um só movimento da bancada paraibana no sentido de viabilizar a integração das bacias do norte, a exemplo do que ocorre no sudeste, no eixo São Paulo, Minas Gerais e Rio de janeiro. As águas do São Francisco por sí só, não vai resolver o problema da seca. O que vai resolver em definitivo é a integração das bacias do norte, até por que o São Francisco sofre com a seca sazonal que o acomete sazonalmente na sua cabeceira. Observe, que nem mesmo durante a seca que se arrasta, sequer foram tomadas providências no sentido de se combater o assoreamento da bacia do boqueirão, do açude coremas/mãe d’agua que serve ao Ceará, mas não serve ao restante da paraíba, por que não há integração das bacias.
    Pense numa bancada incompetente e inoperante, as vezes cínica. Uns come e dorme.

  2. FEUBER Disse:

    sem ÁGUA, sem SEGURANÇA, sem EMPREGO, sem SAÚDE….
    HERANÇA DA ESQUERDA HIPÓCRITA!!!!!
    HERANÇA DA ESQUERDA HIPÓCRITA!!!!!
    HERANÇA DA ESQUERDA HIPÓCRITA!!!!!
    HERANÇA DA ESQUERDA HIPÓCRITA!!!!!

  3. José Djamar Disse:

    Se a herança citada por Feuber é da esquerda, essa que tentou dar um mínimo de água a essa parte do NE, o Cariri, imagine a herança que temos dos últimos 500 anos, deixada pela direita do Feuber, dos usineiros, dos latifundiários, dos banqueiros, dos políticos da região e dos hipócritas que não conhecem um milímetro de sua história.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *