Câncer em personagem de novela da Globo terá 10 mil novos casos este ano

Isabella Santoni interpreta Letícia, personagem acometida de leucemia (Foto: Carol Caminha/Gshow)

Isabella Santoni interpreta Letícia, personagem acometida de leucemia (Foto: Carol Caminha/Gshow)

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que o Brasil encerra 2016 com o registro de 10.070 novos casos de leucemia –  5.540 homens e 4.530 mulheres. A doença é assunto em destaque já nos primeiros capítulos da próxima novela global ‘A Lei do Amor’, que estreia segunda-feira (3/10), às 21h. Dos tipos de câncer que afetam o sangue, a leucemia é o mais conhecido.

Na ficção, a personagem Letícia (Isabela Santoni), uma jovem na faixa dos 18 anos, é diagnosticada com leucemia. Filha da protagonista Heloísa (Claudia Abreu), ela surgirá na trama com a cabeça raspada após ter passado por tratamento quimioterápico e celebrará os resultados de exames que indicam estabilização do quadro clínico.

No mundo real, a leucemia é o tipo de câncer que mais acomete crianças e jovens.  Segundo o Inca, a incidência chega a 33% dos casos na faixa etária dos 0 a 18 anos. A Leucemia Linfóide Aguda (LLA) é o subtipo mais comum entre este grupo. Já a LMA (Leucemia Mielóide Aguda) é o tipo mais comum de leucemia em adultos, correspondendo a 80% dos casos neste grupo. A ocorrência de LMA aumenta com a faixa etária (incidência maior acima de 65 anos).

Riscos e sintomas

A médica Mariana Oliveira, hematologista de São Paulo, explica os sintomas mais comuns e como se dá o tratamento da doença. “A leucemia afeta inicialmente a medula óssea – tecido mole que fica dentro dos ossos e é responsável por produzir glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas -, fazendo com que as células sanguíneas passem a se reproduzir de forma descontrolada e gerando o comprometimento da fabricação normal do sangue. Sendo assim, ocorre anemia, diminuição da imunidade e aumento do risco de sangramentos”, explica.

Podem elevar o risco de incidência da doença fatores como exposição a produtos químicos, principalmente derivados de benzeno, e radiação em altos níveis, assim como algumas doenças genéticas como anemia de Fanconi e outras que afetam o sangue. Ainda assim, estes são apenas fatores que podem contribuir para o surgimento da leucemia, mas não são regra. Diante disso, o principal conselho da hematologista é que seja dada atenção aos sinais que podem ser indícios da doença.

“Os sintomas das leucemias agudas incluem palidez, cansaço e sonolência, uma das consequências da queda na produção de glóbulos vermelhos (hemácias) e consequente anemia. Manchas roxas que surgem aparentemente sem traumas, pequenos pontos vermelhos na pele e/ou sangramentos mais intensos e prolongados após ferimentos leves também podem surgir em decorrência da diminuição na produção de plaquetas”, diz a Dra. Mariana.

A redução na imunidade ocasionada pela baixa quantidade de glóbulos brancos faz ainda com que a pessoa apresente infecções constantes e febre. “Dores ósseas e nas juntas, que podem dificultar a capacidade de locomoção, e dores de cabeça e vômitos são outros possíveis sintomas que não devem ser ignorados. Outro indício da doença pode ser ainda a perda de peso”, afirma.

Diagnóstico

As leucemias crônicas são comumente descobertas por alterações identificadas no hemograma – exame de sangue que deve ser realizado periodicamente como parte da rotina, já que dificilmente apresentarem alterações evidentes à saúde. “Apenas em estágios mais avançados podem ocorrer sintomas similares aos casos agudos”, pontua a especialista. Para fechar o diagnóstico, é recomendada a coleta de medula óssea para exames específicos (mielograma, biópsia, imunofenotipagem e cariótipo).

Outros estudos complementares podem ser então sugeridos, de acordo com a subclassificação a ser estabelecida e análise de risco, para que seja assim definido o tratamento a ser adotado. Em geral, as leucemias são tratadas com quimioterapia. De acordo com os resultados obtidos com a quimioterapia, pode ser indicado o transplante de medula óssea.

(Com Assessoria e informações do Inca)

2 Comente Câncer em personagem de novela da Globo terá 10 mil novos casos este ano

  1. Ana Disse:

    Não entendi. Vocês falam de um tipo de câncer que não causam tumor e diz que a menina da novela comemora a diminuição do tumor??? Deveriam consertar essa parte.

  2. Junior cauponi Disse:

    Bom dia .ja tive lla com 17 anos hj com 42 e uma filha de 10 anos e curado da doença .

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *