Prefeito se expõe ao ridículo quando anuncia pagamento de salário

Rubens Nóbrega

A necessidade de produzir ou protagonizar sucessivos fatos políticos que pretensamente melhoram a imagem de governante virou obsessão em muitos detentores de poder em ano eleitoral, seja ele prefeito da cidade mais remota e pequena do país, seja ele governador do Estado mais pobre do Brasil. E se o mandatário estiver em plena campanha para se reeleger, aí então é que “o bicho pega” ou “o couro come”. Porque nesse elenco tem artista capaz de inaugurar lombada, calçada e até semáforo. Ou até mesmo de chamar a imprensa para anunciar que vai pagar salário de servidor, como se dever tão comezinho de gestão pública fosse um favor ou grande realização de governo.

Foi o que fez nesta segunda-feira (13) o prefeito Luciano Cartaxo, de João Pessoa, ao ‘conceder’ dezenas de entrevistas para dizer que vai pagar salário e metade do décimo-terceiro do funcionalismo até o final do mês. Nada original ou inédito, contudo. Nos anos 90 e começo deste milênio, pelo menos dois governadores usaram a regularidade do pagamento da folha de pessoal em propagandas que promoviam a figura de ambos como administradores competentes e eficientes. Nesse embalo, Ronaldo Cunha Lima (1991-94) e José Maranhão (1995-2002) chegaram ao ponto de transformar tabelas de pagamento de salário em trabalhadas peças publicitárias divulgadas em jornais, rádios e tevês da Paraíba. A custo bastante elevado para o erário, como sói.

Mas deve ter sido Cássio Cunha Lima, sucessor de José Maranhão no governo, a grande inspiração ou o espelho onde se mirou o prefeito de João Pessoa. Afinal, quando governou a Paraíba de 2003 a fevereiro de 2009, o hoje senador e líder do PSDB no Senado Federal nem piscou para convocar uma coletiva de imprensa e nela comunicar ao mundo o feito extraordinário de um pagamento antecipado do décimo-terceiro. Talvez justificasse canhestramente tamanha pompa e circunstância o fato de durante aquele período o então governador tucano ter se envolvido em evidentes dificuldades para pagar a folha do Estado em dia. De uma forma tal que na época o servidor era obrigado a contrair empréstimo em banco para receber o próprio salário. Tendo o Estado como avalista e pagante dos juros e demais encargos inerentes à operação, claro.

Luciano Cartaxo não foi, portanto, “o inteligente que inventou” essa história de alçar uma obrigação básica de governo ao nível de gesto magnânimo do poderoso da hora. Mas, como ele e outros fizeram e fazem, parece até que cada um deles tira dinheiro da carteira para distribuir com os pobres funcionários da Prefeitura da Capital ou do Estado. Que merecem o título de pobres porque são realmente mal pagos em sua quase totalidade e ainda têm que enfrentar, coitados, os ‘chefes’ da hora fazendo pouco da inteligência deles e de todos os governados. Sem se dar conta do ridículo que cometem, além de tudo, porque a artimanha ou patranha é tão patética quanto estranha em qualquer outro Estado ou capital brasileira.

Comente

Não publicamos ofensas pessoais. O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *